A província do Cuanza Norte conta actualmente com uma disponibilidade de distribuição de energia eléctrica na ordem dos 111,2 Megawatts, dos quais apenas 33,39 são consumidos, uma situação que requer o alargamento da rede de distribuição para rentabilizar o potencial.
A informação foi prestada recentemente à Angop, pelo director da Empresa Nacional de Distribuição de Energia (ENDE) no Cuanza Norte, José Manuel João Borges, tendo esclarecido que o fornecimento de energia à província é garantido pela rede nacional de transporte através das linhas de 205 kwatts produzidas a partir dos complexos hidroeléctricos de Cambambe e Capanda.

Abastecimento
Revelou que o fornecimento de electricidade à província é assegurado pelas subestações de Ndalatando (capital da província) com uma potência de transformação instalada de 40 MVA, do Dondo (40 MVA), Cambambe (25 MVA), Cassualala (10 MVA), Pambo do Sonhi, no município de Samba-Cajú com (24 MVA), perfazendo um total de 139 MVA.
Com este potencial, referiu, o Cuanza Norte consta da lista das províncias de Angola melhor servidas em termos de abastecimento de electricidade, por se situar numa região atravessada pelas linhas de transporte de energia produzidas a partir das maiores centrais hidroeléctrica do país.
Com esta realidade, a província tem sido privilegiada a nível da região Norte de Angola, pois conta com a distribuição ininterrupta de energia eléctrica em sete dos 10 municípios, numa altura em que já decorrem trabalhos para a cobertura dos três municípios em falta, de modo a se garantir electricidade a um maior número de famílias.

Alavancar a indústria
O potencial disponível representa uma grande oportunidade para alavancar o parque industrial da província e atrair o investimento privado, pois a energia eléctrica constitui a principal matéria-prima para o desenvolvimento do sector, sublinhou.
Quanto ao consumo doméstico, disse, a Ende tem actualmente cadastrados 34 mil clientes em toda a província. Estes dados carecem de alguma actualização por se constatar que existe um grande número de consumidores desprovidos de contratos e que consomem energia sem qualquer pagamento, acarretando enormes prejuízos para as receitas do Estado.
A província do Cuanza Norte tem como capital a cidade de Ndalatando e conta com uma extensão territorial de 20.252 quilómetros quadrados e congrega 10 municípios.