A distribuição de sinal de televisão por satélite “DSTV” investiu mais de 95 milhões de kwanzas, na melhoria dos serviços. A informação foi avançada pelo seu director-geral, Davide Russell.

Em declarações ao JE, Davide Russell destacou que a meta é oferecer um melhor serviço ao cliente e dinamizar o mercado da TV por satélite. Para isso, a empresa investiu recentemente mais de 96 mil milhões de kwanzas, em equipamentos técnicos para uma melhor resposta à demanda. “Com os novos equipamentos os nossos clientes estão melhor servidos em termos de sinal”, disse.

Inovação
Para aumentar os níveis de competitividade no mercado, a empresa prevê para este último semestre, o lançamento de conteúdos de entretenimento de produção nacional. Apesar de não ter avançado, pormenores sobre a produção dos novos serviços Davide Russell, assegurou que estes vão trazer uma nova dinâmica na programação.

Facturação
Para este ano, a empresa prevê um crescimento de 20 por cento nas vendas, contra os 40 por cento do ano passado. Para estimular as vendas, a empresa prevê para este último semestre do ano o lançamento de novos produtos de produção local. “Vamos lançar programas de entretenimento de produção nacional”, revelou.

De acordo com o responsável, a empresa vai lançar conteúdos televisivos de entretenimento, produzidos por actores e técnicos angolanos.

Há 14 anos no mercado, a empresa está presente nas 18 províncias do país, com mais de 300 agentes e cinco lojas das quais duas em fase de conclusão das obras.

A partir do próximo ano, a empresa prevê participar no negócio de distribuição de televisão po via digital em países como Nigéria, Líbia, Ghana, Quénia e Zâmbia.

Bons serviços
Numa ronda realizada pelo JE, às principais artérias da cidade capital, os nossos interlocutores adiantaram que os serviços da DSTV têm estado a melhorar.

Carlos Azevedo não escondeu a sua insatisfação quanto à ligeira subida que se registou nos preços dos produtos. “A subida dos preços que se registou nos últimos dias nos obrigou a reprogramar os gastos da família”, declarou.

Segundo a fonte, a maior preocupação está ligada à assistência técnica.

“Na ausência do sinal, sempre que se solicita, a operadora demora para dar solução às nossas preocupações”, sublinhou  Celestina Mafulo, cliente da empresa há oito anos.