ANTÓNIO EUGÉNIO

A Empresa de Distribuição de Electricidade (Edel) investiu USD 148 milhões para construir a curto prazo 11 subestações e as respectivas redes eléctricas para melhorar o abastecimento da energia em Luanda.

Com a implementação deste projecto, a Edel pretende beneficiar mais de 50 mil famílias que consomem de forma irregular a energia em Luanda, assim como aumentar o número de consumidores cadastrados.

O projecto denominado “China-Angola”, que está na sua quarta fase de execução, vai incidir na construção das subestações de energia do Benfica, Morro Bento, Ramiros (no município da Samba), Viana-Vila e Viana Caope (em Viana) e da Boavista (no Sambizanga).

A execução do projecto vai durar 30 meses, e prevê a ampliação da subestação da localidade do Zango, em Viana, assim como electrificar cerca de 11 quilómetros quadrados nos bairros N’gola Kiluanje e Kikolo (dos municípios de Sambizanga e Cacuaco, respectivamente).

Para melhorar o abastecimento da luz em Luanda, de acordo com o novo PCA, José Manuel Francisco, a Edel vai direccionar os seus investimentos na reabilitação e expansão das redes de média e baixa tensão, por ser a principal alavanca que garante o consumo regular da energia.

“O plano estratégico da empresa visa reduzir as perdas técnicas, expandir a rede e electrificar novas zonas com vista a melhoria da qualidade do serviço de distribuição da energia à capital”, disse.

Para a execução de vários projectos preconizados, de acordo com a fonte, a empresa vai fazer recursos a fundos próprios, financiamentos do Governo chinês, e comparticipação do Estado, no âmbito da melhoria e oferta dos serviços básicos à população.

Projecto pré-pago

Para rentabilizar os serviços prestados, a Edel vai implementar com maior rigor e rapidez a instalação de contadores nas residências, e locais de trabalho de todos os consumidores.

Com o projecto, que teve início em 2005, a empresa investiu USD 1,5 milhão resultante do financiamento do Banco Sol.

Este valor permitiu instalar 5.652 contadores nos bairros Terra Nova e Nelito Soares, no município do Rangel. Com a implementação deste projecto, prevê-se que, até 2012, possam beneficiar do programa eléctrico cerca de 41 mil e 500 clientes.

Informações avançadas ao JE apontam que 70% do capital financiado já foi reembolsado. Tudo porque os clientes liquidaram as suas dívidas em tempo oportuno.

Este indicador animador, segundo José Manuel Francisco, vai dinamizar a implementação deste programa por toda a cidade de Luanda.

Segundo ele, actualmente muitos clientes da empresa pagam quantidades irrisórias pelo consumo da energia, enquanto que outros fogem às cobranças, o que tem provocado algumas instabilidades financeiras à empresa.

De acordo com a fonte, estão, até ao momento, registados em Luanda, 264 mil consumidores, o que em sua opinião, não representa metade dos consumidores.

Por isso, o gestor vaticina um trabalho árduo para evitar e controlar a fuga ao pagamento das contas dos clientes à Edel.

Nesta perspectiva, e para solidificar o seu trabalho, a Edel estabeleceu uma parceria com 45 agentes devidamente credenciados, que exercem a sua actividade nos nove municípios de Luanda.

A parceria assenta principalmente na distribuição de facturas, leituras de contadores, cobrança do consumo de energia eléctrica, cortes e religações.

A nova actuação da Edel para rentabilizar a empresa nos próximos tempos vai incidir também num sistema paralelo com os parceiros para denunciarem todos os indivíduos que se dedicam ao comércio de energia de forma ilegal.

“Está será uma forma que poderá ajudar-nos a rentabilizar melhor os nossos serviços e não deixar que às receitas baixem”, finalizou.

Leia mais sobre outros assuntos na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação