Cerca de 12 empreendedoras da aldeia de Hungula, no município do Andulo, na província do Bié, estão a fabricar sabão artesanal e ecológico, a partir de óleo de cozinha usado, no quadro de um dos programas sociais implementados pela administração local, numa iniciativa do Gabinete Provincial da Ação Social, Família e Igualdade do Género.
O projecto permite a produção de 50 barras de sabão por semana, uma primeira fase, utilizando-se uma média de 20 litros de óleo usado e quatro quilogramas de soda cáustica. O desafio, segundo os mentores é produzir 100 barras por semana.
O programa já permitiu que várias mulheres conseguiram um pequeno negócio para ajudar na renda das famílias.
“O sabão, produzido com soda cáustica, fuba de milho, óleo vegetal e detergente, é comercializado nos mercados rurais de diversas aldeias e povoações do Andulo, e regista já uma afluência enorme de compradores, pelo seu baixo custo”, disse a coordenadora da associação, Maria Rosa, durante a exposição de produtos agrícolas que decorreu no Andulo, no âmbito do fórum provincial da mulher rural.
O sabão caseiro tem boa qualidade e pode ser utilizado na lavagem de qualquer tecido, explicou Maria Rosa.
A coordenadora realçou que, com a venda desse produto, já é possível às mulheres resolverem alguns problemas pontuais domésticos.
No clube rural as mulheres aprendem ainda a arte da culinária e ainda sobre o saneamento básico e cuidados de higiene pessoal.

Satisfação
O vice -governador do Bié para área Política, Social e Económica, António Manuel, mostrou-se satisfeito pelo projecto e encorajou as mulheres a continuarem a trabalhar para contribuir no combate a fome e a pobreza.
A aldeia de Hungula possui 230 habitantes que se dedica essencialmente da agricultura de subsistência.