Um novo detergente em pó, criado por jovens empreendedores angolanos, denominado “Eco” vai ser lançado hoje, em Luanda, na Pousada da Juventude, no bairro dos Ramiros, onde está a decorrer o encontro Fest-Jovem, uma organização da Juventude do Movimento Popular de Libertação de Angola (JMPLA), que durante quatro dias vai abordar problemas transversais relacionados à juventude angolana.

Sob o lema “Juventude unida na diversificação da economia e protecção ambiental”, o certame enquadra-se nas comemorações do Dia da Juventude assinalado no passado dia 14 de Abril, e visa abordar questões relacionadas com o empreendedorismo, a promoção de políticas que favorecem o sector do comércio, bem como a protecção ambiental na exploração dos recursos.
Durante a apresentação do “Eco-detergente”, a jovem empreendedora e coordenadora do projecto da empresa AmbiReciclo, Isabel Clementina, informou que o detergente em pó foi criado a partir de resíduos que poderiam ir para o lixo. Afirmou que o objectivo é ajudar, por um lado reduzir a quantidade de lixo descartado incorrectamente, e por outro dar um destino correcto ao lixo para ajudar a reduzir a pobreza através da economia verde.
A empreendedora salientou que o Eco-detergente em pó já começou a ser produzido há um ano, cujas primeiras produções foram mais para as pessoas experimentarem e, paulatinamente, foi-se aprimorando mais a qualidade e o resultado foi positivo visto que “hoje mais de 500 pessoas têm usado o produto”. “O Eco-detergente passou por todos os testes de qualidade e tivemos o apoio da Universidade Jean Piaget de Angola. É ecológico e penso que veio dar maior impulso à economia verde e simultaneamente a economia do país”, afirmou, adiantando que tem cooperado com fornecedores como supermercados de Luanda, restaurantes, discotecas, bombas de combustível e em outras unidades fabris.
A AmbiReciclo tem uma capacidade de produção artesanal de 500 kg por dia perfazendo 457.200 kg/ano. “ Quando desenvolvemos o Eco-detergente em pó pensámos nas zonas urbanas e periurbanas que dificilmente usam sabão nas suas actividades de higiene da roupa, porque muitas vezes esta actividade é feita em máquinas automáticas que fica mais em conta usar o detergente em pó. Este detergente terá um preço acessível para todos os bolsos visto que fez-se por medidas, 250g, 500g é 1kg”.
O que difere o Eco-detergente, segundo Isabel Clementina, dos outros produtos, é a sua composição. Enquanto que os outros contêm enzimas, branqueamentos, compostos aromáticos, sulfato, perfumes e outros, o Eco-detergente apenas contém na sua composição gordura vegetal, água natural, corante orgânico e soda cáustica, tornando-o mais ecológico e menos evasivo do que os restantes produtos do mercado. Reforça lembrando que os co-fundadores da Ambireciclo foram vencedores do prémio internacional das engenharias e criaram o projecto Eco-repelente spray e em sabonete “Made in Angola” contra o mosquito da malária e até agora não foi certificado pelo Ministério da Saúde mesmo depois de ter sido testado em laboratório científico e justificado a sua segurança e eficiência no combate à malária que é a maior causa de morte em Angola.

Aposta na produção interna
O governo tem apostado em fomentar e ajudar toda a actividade comercial de empresários privados angolanos. Recentemente, foi criado o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (PRODESI) visando acelerar o processo de diversificação da economia. Para tal, o Governo definiu um conjunto de clusters e as fileiras produtivas prioritárias necessariamente, no actual contexto nacional, estão intimamente relacionados com a substituição de importações e com o fomento e diversificação das exportações, bem como visam aumentar a base de arrecadação fiscal para sustentabilidade das contas públicas.
O reconhecimento da prioridade de diversificação dirigida para a substituição de importações e para as exportações estão há muito presentes nos documentos estratégicos do Executivo. No entanto, é reconhecido que o país ainda não foi capaz de materializar a almejada diversificação.
No quadro da restrição de recursos cambiais que o país enfrenta não é possível adiar mais a concretização destes objectivos. É neste contexto, que o Executivo angolano estabelece o Prodesi para ajudar a alavancar a economia nacional.