JOÃO BASTOS

A Ergon Capital, empresa grega que actua nos ramos da construção civil, hotelaria, turismo e energia, em parceria com Grupo Cabeto, vai erguer cerca 100 mil casas no país, num investimento avaliado em mais de USD dois mil milhões.

A iniciativa enquadra-se no âmbito do projecto do Governo que visa a construção de um milhão de casas até 2012. O plano já mereceu a aprovação do Ministério do Urbanismo e Habitação, sendo que o arranque das obras está apenas dependente de pequenos acertos entre as partes, segundo informou o presidente do Conselho de Administração Grupo Cabeto, Julião Domingos.

Entretanto, desconhece-se o carácter e local onde serão erguidas as residências, uma vez que tudo está dependente das orientações das autoridades governativas angolanas.

O presidente do Conselho de Administração do Grupo Cabelo frisou ainda que a tecnologia a ser empregue no projecto terá origem grega e 70% da mão-de-obra será nacional. “Isso significa que o projecto vai gerar vários postos de trabalho”, destaca.

Crescimento da economia

Por sua vez, o director financeiro da Ergon Capital, Athos Christofides, ressaltou que a presença da empresa no mercado angolano deriva de um estudo profundo sobre o mesmo e sobretudo do crescimento que a economia angolana vem conhecendo nos últimos anos.

Deste modo, acrescenta que deseja contribuir o máximo para que este desenvolvimento se processe dentro dos indicadores de crescimento das maiores economias do mundo. Em função das várias oportunidades de negócios que o mercado angolano oferece, a Ergon tenciona a longo prazo investir nos sectores da energia, hotelaria e turismo, tecnologias, entre outras.

Para o empresário grego, a aposta da sua empresa no momento centra-se única e exclusivamente no sector da construção civil e obras públicas mais propriamente na conclusão do projecto de construção das 100 mil casas.

Athos Christofides frisou ainda que essa não é a primeira experiência que a sua empresa terá no mercado africano, dado ao facto de que a Ergon Capital esta envolvido num projecto na Nigéria para a construção de casas e possui escritórios no Egipto e Líbia.

Leia mais, na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças, já nas ruas