As altas taxas de juros praticadas pelos bancos comerciais para o acesso a financiamentos são factores que inibem o sector empresarial privado, considerou, quarta-feira, no Lubango, o presidente da Associação, Agropecuárias Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL).Paulo Gaspar fez esta consideração na abertura da XXVII Edição da Expo-Huíla, a maior e a mais antiga bolsa de negócios fora de Luanda, que este ano acontece no recinto da Nossa Senhora do Monte.

O líder empresarial enumerou também a qualidade e quantidade de energia eléctrica e a deficiência no fornecimento de água, a degradação da rede viária e ferroviárias, a ineficiência da cadeia logística e de distribuição e o excesso de burocracia como outros factores que “em nada ajudam o sector empresarial”.
Paulo Gaspar reconheceu o empenho do governo na solução destes problemas, mas afirmou , “porém que as soluções tardam a chegar, porque estes constrangimentos já deveriam fazer parte o passado”.
O também empresário sublinhou que a província da Huíla tem capital humano e condições climatéricas para a produção em grande escala de frutas, hortícolas, cereais e muito mais bens.
“Para tal é fundamental reservarmos e cuidarmos do nosso bem mais precisos a água. O uso racional e o desassoreamento das barragens aumentando a nossa capacidade de armazenamento é uma questão vital neste momento”, defendeu.
Disse que os empresários querem aproveitar os bons ventos desta governação e propormos que se inicie um ciclo de reuniões sectoriais onde consigamos discutir com profundidade, o que queremos para o futuro da província”, defendeu.