Grupos empresariais da cidade de Benguela vão investir em breve na indústria de transformação de frutas, milho e salsicharia do município da Ganda.
A intenção surge na sequência de um convite formulado pelo administrador local, para que os grupos Salina Calombolo, Pinto e Mady, pudessem identificar as possíveis e potenciais áreas de investimentos na localidade.
Em declarações à Angop, empresário Adérito Areias referiu que, de acordo com a existência de bastantes frutas de ananás, manga, bem como milho em abundância e animais, deve-se estudar as formas de instalar-se uma fábrica de conservas de frutas (sumos e compotas) para absorver toda produção para sua transformação.
O empresário defendeu a criação de uma pequena indústria para transformar carnes, bem como o antigo Buçaco e moageira que podem produzir farelos e rações de milho para comercializar e colocar todos esses produtos fora do mercado local.
Adérito Areia garantiu que vai abrir nos próximos tempos, na Ganda, uma pequena fábrica transformação do milho, concentrado de sumos e também um matadouro de suínos.
O empresário associa-se a este investimento, devido à reactivação da produção do café, de modo a criar um circuito mercantil funcional com perspectiva do crescimento e desenvolvimento da região.
“Para concretização deste desiderato, torna necessário potenciar os agentes locais, sem esperar outras pessoas para vir tomar contas das fazendas, devendo incentivar a juventude a criar sinergias e preocupar-se em cultivar e elevar os níveis de produção agrícola”disse.
Por seu turno, o empresário do Grupo Calmito Octávio Pinto defendeu a identificação de áreas junto do empresariado local para a diversificação da produção, na qual a Ganda, construi uma região potencial na produção de cereais e outros produtos do campo, cujo sucesso passa pela organização dos seus agentes económicos locais.
Octávio Pinto disse que se pretende com isso incentivar uma parceria para ajudar os empresários locais enveredarem para o espírito de gestão e poupança.