O director-geral da Empresa Nacional de Pontes de Angola (ENPA), que não paga salários há quase cinco anos, disse recentemente que “grande parte” dos valores arrecadados da negociação de títulos da dívida pública serviu para “liquidar os impostos”.
José Henriques, que falou recentemente a jornalistas, em Luanda, afirmou, sem avançar o montante, que, em Janeiro, a sua direcção negociou títulos da dívida pública de 2012 e 2013, valores que serviram para “atacar o pagamento de impostos” e “contribuições
com a Segurança Social”.
“E felizmente com esse dinheiro estamos a pagar alguns salários, três a quatro salários, estamos a minimizar. No entanto, estamos a atacar o pagamento de impostos e as contribuições com a Segurança Social”, disse.
O responsável, que dirige a ENPA desde 2013 afirmou que, após os pagamentos de todos os impostos, será amortizada, “paulatinamente, a dívida com os trabalhadores”. A empresa não paga salários há 59 meses.
De acordo com o dirigente, cerca de 150 trabalhadores da firma devem reformar-se este ano. A Lusa noticiou, na última semana, que os trabalhadores da ENPA, sem salários há 59 meses, questionaram o destino de mais de 548 milhões de kwanzas (1,54 milhões de euros) recebidos pela direcção na negociação de títulos da dívida pública.
O primeiro secretário da comissão sindical da empresa pública, Mateus Muanza, explicou, que a ENPA, alvo de um Acordo de Parceria, assinado em Outubro com um consórcio sino-angolano, tem agora condições de liquidar “pelo menos um ano dos atrasados”.
“O valor que apareceu proveniente da dívida pública é de 548,112 milhões de kwanzas e a par disso também a direcção da empresa vendeu três britadeiras no valor de 27 milhões de kwanzas, valores que poderiam pelo menos pagar um ano dos atrasados”, garantiu.