O volume de investimentos da Empresa Provincial de Águas de Luanda (EPAL) atingiu cerca de usd 983,6 milhões em 2018 e contemplou a construção e reabilitação de estações de tratamento de água, requalificação e ampliação de centros de distribuição, bem como a construção de estações de tratamento de água de processo, inseridos no Programa de Investimentos Públicos (PIP).
Os dados constam das demonstrações financeiras e auditoria da Epal no âmbito da apresentação de contas das empresas do Sector Empresarial Público (SEP), publicados pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) e compilados pelo JE.
O documento indica que a falta de pagamentos das facturas dos projectos continua a condicionar o curso normal das obras, causando o abrandamento na execução física dos projectos e a paralisação de obras, do projecto de construção do centro de formação e treinamento de águas, laboratório central, e o centro de distribuição de água de Viana que apenas registou pagamentos de algumas facturas em Dezembro de 2018.
Neste período, o volume de águas facturado alcançou 92,60 milhões de metros cúbicos, tendo registado um decréscimo de 3,39 por cento
em relação ao ano de 2017.
A empresa justifica a baixa devido ao tempo de funcionamento das girafas, atribuição de tarifas sociais aos clientes domésticos com baixa renda, requalificação de clientes mal classificados (indústrias).

Facturação
Segundo o relatório os valores de água facturados alcançaram em 2018 kz 24,09 mil milhões,registando um crescimento na ordem dos 25 por
cento em relação a 2017.
“Este aumento deveu-se em função da actualização da tarifa de água resultante do Decreto Executivo conjunto nº230/18 de 12 de Junho, associado ao aumento de números de clientes e pelo rigor na leitura de contadores dos grandes
consumidores”, revela.
O relatório explica que os empréstimos bancários da empresa apresentam um aumento face aos valores de 2017, de kz 144 milhões para kz 653 milhões em 2018, representando um esforço financeiro despendido pela Epal, uma vez que foi retirada a dependência da subvenção do Estado para a liquidação das obrigações operacionais.
O documento diz ainda que o número de clientes registou um crescimento na ordem dos 4,55 por cento comparativamente a 2017, tendo alcançado 486.433 clientes devido às acções de cadastro e recadastramento de clientes.
“Os valores de águas cobrados alcançaram no ano passado cerca de kz 7,51 mil milhões, um crescimento na ordem dos 13,98 por cento em relação a 2017”, refere o documento.
Dados da demonstração financeira da empresa apontam que os actos de vandalismo nas condutas e redes de distribuição da Epal resultaram num prejuízo de 92,61 metros cúbicos de água, tendo registado um acréscimo de 49,65 por cento em relação a 2017. Em 2018 a Epal contava com 1.720 trabalhadores, tendo assinalado uma redução de 0,92 por cento.