A estabilidade macroeconómica é uma pré-condição essencial para o crescimento económico, pelos seus reflexos nas decisões de financiamento e de investimento das empresas.
Assim, as políticas monetárias, cambial e fiscal serão ponderadas tendo em consideração a sua eficácia e eficiência na prossecução dos equilíbrios macroeconómicos, bem como pelos sinais e incentivos que influenciam as decisões empresariais.
De acordo com projecções do PDN 20018-2022, a escolha dos projectos no âmbito do PIP assegurará um compromisso equilibrado entre os constrangimentos financeiros e os efeitos estruturais sobre a dinâmica de crescimento e a diversificação económica.
Nesta conformidade, a promoção da competitividade das empresas e a sua expansão no mercado interno e externo constituem pré-condições essenciais para assegurar a diversificação da estrutura económica, reduzir o défice da balança comercial, alargar a base de incidência tributária, facilitar a integração nos mercados à escala internacional e regional, com reflexos positivos no crescimento económico, na criação de empregos e na redução da pobreza.
No seu relatório do mês de Outubro, o BNA realça que a conta de bens foi superavitária em 2,2 mil milhões de dólares. No entanto, representou uma redução face ao mês anterior (Usd 2,4 mil milhões) e face ao período homólogo (Usd 2,3 mil milhões) em torno de 9,46% e 3,97%, respectivamente. A redução da conta de bens resultou da diminuição do valor das exportações que registaram um total de 3,48 mil milhões de dólares (-6,05%), bem como do aumento do valor das importações para Usd 1,28 mil milhões (+0,42%).
Realça-se que do valor total das importações, 348,90 milhões de dólares foram para importação de bens alimentares, 199,16 milhões de dólares para combustíveis e Usd 736,60 milhões para Outras, destacando-se nesta última categoria o valor de Usd 178,15 milhões para reactores nucleares, caldeiras e 88,22 milhões para máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos. Do valor de importação de bens alimentares, Usd 88,58 milhões correspondem a importações de carnes e miudezas e 63,12 milhões para cereais; estes dois produtos correspondem a cerca de 43% do total.
Em Outubro de 2018, o BNA vendeu Usd 1,1 mil milhões aos bancos comerciais, contra 703,19 milhões vendidos no mês de Setembro de 2018. Em termos acumulados de 2018, o BNA vendeu 11,7 mil milhões de dólares, contra 10,7 mil milhões, no mesmo período do ano anterior. Realça-se que após a venda de divisas para atrasados cambiais, no mês de Outubro de 2018 não se efetuou vendas dirigidas, tendo o BNA, realizado apenas vendas a leilão, uma vez que a partir do dia 1 de Outubro, as vendas dirigidas foram extintas.

PIB cresce já este ano
“Como poderão verificar, após três anos de recessão económica, Angola poderá ver o seu PIB a crescer em 2019, ainda que seja a um nível inferior às nossas aspirações. De qualquer forma, a prioridade está agora virada não tanto para a velocidade do crescimento, mas para a sua sustentabilidade”, afirmou o ministro em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola.
Archer Mangueira disse que o programa de Financiamento Ampliado é fundamental para o processo de estabilização Macroeconómica do país, no sentido de apoiar e reforçar a efectivação de reformas económicas e financeiras promotoras do Investimento privado já iniciadas pelo PEM. Os elementos de austeridade, defendeu, estarão limitados ao estritamente necessário para o reequilíbrio das contas fiscais, monetárias e externas, garantindo a sua sustentabilidade.
“Estas metas são o défice primário não petrolífero, as Reservas Internacionais Líquidas (RIL), crédito do Banco Nacional de Angola sobre o Governo Central, o nível de atrasados externos e dívidas externas com garantias do petróleo
A melhoria e consolidação do sistema financeiro nacional, o saneamento do sector empresarial público e o programa de privatizações são prioridades do programa e que estarão sujeitas à avaliação do Fundo”.