O  Ministério da Justiça e Direitos Humanos projecta proceder à extensão dos serviços do Guichê Único da Empresa (GUE), para todas as províncias do país, até 2015, anunciou terça-feira, o titular da pasta, Rui Mangueira.

Em declarações à Angop, à margem da abertura oficial do terceiro GUE dos Coqueiros, no distrito urbano da Ingombota, Rui Mangueira disse que em Luanda já existem três unidades: uma na avenida Marginal, outra igualmente nesta circunscrição e a Nosso Centro do bairro do Gamek, também inaugurada naquele dia, no distrito urbano da Maianga.

O governante acrescentou que, numa segunda fase, serão contempladas as províncias da Huíla, Huambo, Benguela e Bié, cujo objectivo é facilitar o processo de constituição de uma empresa comercial, num espaço de 24 horas.

Segundo Rui Mangueira, desde a abertura do primeiro Guichê Único da Empresa, em 2004, foram constituídas mais de 26 mil empresas, fruto do desenvolvimento da instituição, principalmente desde 2007, ano em que registou uma total informatização dos seus serviços, o que impulsionou a celeridade do processo.

“Este processo permitiu que, actualmente, seja possível concluir a constituição de empresas em apenas três horas, contra os 15 e oito dias na fase inicial do projecto”, comparou.

Com mais de dez trabalhadores, o GUE dos Coqueiros comporta áreas de informações, ficheiro central de denominações sociais, jurídico, inserção de dados, cartório notarial, sala de cultura e imprensa nacional para efeitos da publicação oficial.

 Para a criação de uma empresa, é necessário, entre outros passos, o pedido de certificado de admissibilidade, a elaboração do pacto social, o pagamento do imposto inicial, a abertura de conta bancária e o depósito do capital social.

A abertura de mais dois serviços está alinhada à estratégia do Executivo angolano de estímulo ao empreendedorismo nacional.