A maior carteira de negócios da região Sul do país, Expo-Huíla, marcou pela positiva os representantes das 230 empresas expositoras por haver mais condições para se estabelecer contactos, transacções comerciais e parcerias entre produtores das províncias da Huíla, Namibe, Cunene, Huambo e Benguela, além de homens de negócios da Namíbia, África do Sul, Ghana e Portugal.

O movimento empresarial registado satisfez a organizadora do certame, tendo o presidente da Associação Agro-pecuária Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), António de Lemos, anunciado que foram realizados negócios cifrados em 350 milhões de kwanzas.

A força empresarial da região, disse, passa, doravante a ter um desempenho aceitável no crescimento e desenvolvimento da economia nacional com a realização de avultados investimentos que favorecem o surgimento de um número considerável de importantes.

Sucessos alcançados
Os sectores da agro-indústria, construção civil, alimentar, bebidas e refrigerantes e os que prestam serviços nas áreas de telecomunicações, agências de viagens, seguros, combustíveis e lubrificantes, bancos e venda a grosso e a retalho demonstraram as suas actividades e os sucessos alcançados.

António de Lemos informou que foram atribuídos 16 chitas de ouro e 18 menções honrosas a empresas expositoras que tiveram melhores stands e capacidade credível de atender e explicar os seus serviços ao público da província e de outros pontos.

O presidente de direcção da AAPCIL considerou que a Expo-Huíla 2013 ultrapassou as expectativas, tendo em conta o volume de negócios realizados, a dinâmica e a animação dos expositore, a diversidade de serviços e a inovação tecnológica quer em imóveis, telecomunicações, materiais de construção, transportes quer em amostras de artefactos culturais.

Enalteceu a realização de palestras sobre “Qualidade, ambiente e saúde do trabalho”, “Propriedade intelectual”, “Empreender para crescer com Angola” com prelectores de renome como Carlos Rosado, Jaime Fortunato, Silvino Araújo e Jorge Veiga.

Mérito
O governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, recebeu a chita de ouro de mérito. Figuraram entre as empresas outorgadas com chitas de ouro através da avaliação de um corpo de júri, a Kayama, do ramo da segurança, a Metalosul (materiais de construção civil), a Projecto Kumosi (agricultura), e  os Caminhos-de-Ferro de
Moçâmedes (transportes).

Constaram ainda no leque de firmas agraciadas com chitas a Água da Chela, no ramo agro-alimentar, Jobselectro, na prestação de serviços, ZAP, na comunicação e imagem, Ensa, nos seguros, Planasul, nas obras públicas e outras.

O júri presidido por Fernando Moutinho atribuiu menções honrosas à Coca-Cola, Cervejeira N´gola, Administração Tributária, Barco Trading, Tutomene, Sicopal, Queijaria Tandavala, BPC e Padu, entre outros expositores.

Financiamentos
O Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) possui uma carteira de 81 projectos aprovados para o fortalecimento e desenvolvimento do sector da agricultura dos empresários das províncias da Huíla, Namibe e Cunene orçados em oito mil milhões de kwanzas.

Com o propósito de estar mais próximo dos empreendedores e prestar melhores esclarecimentos sobre a elaboração de projectos e a carteira de financiamentos, o BDA que esteve pela primeira vez na Expo-Huíla registou uma adesão considerável de antigos e novos empresários região.

O responsável do departamento de Promoção de Negócios e Investimentos do BDA, Fernando Simões, considerou positiva a participação do banco por permitir que os empresários conhecessem melhor as áreas de financiamento destinadas à industria transformadora.

O gestor reconheceu a dinâmica dos empresários da região e informou que os participantes ficaram esclarecidos sobre a carteira, formas de financiamentos e modalidade para o acesso. “Alguns investidores foram orientados a reorganizar os processos através dos nossos parceiros disponíveis nas províncias”.

A presença do BDA na Expo-Huíla constituiu o ponto de partida para melhores contactos com o empresariado, análise de projectos, sua estruturação e viabilidade exequível para o respectivo financiamento.

Das unidades fabris de processamento e engarrafamento de água, além da tradicional Água da Chela com mais de 12 anos no mercado, foram novidade na exposição empresarial, a Água Tandavala lançada no mercado nacional há sensivelmente quatro meses.

Extraída do maior aquífero da Tundavala, arredores da cidade do Lubango, a nova fabrica de água mineral orçou em 800 milhões de kwanzas e engarrafa diariamente 200 mil litros em dois turnos de trabalho, sendo que a primeira fase do projecto prescreve o fornecimento de recipientes de cinco litros.

Erguido com fundos públicos, o complexo fabril está a ser gerido pela empresa de direito angolano Interserviços. A unidade tem 20 operários com destaque para jovens formados em diversas áreas por especialistas portugueses e espanhóis.

A empresa desenvolveu uma forte campanha de marketing na Expo-Huíla com vista a dar a conhecer aos consumidores locais e não só a existência de um novo produto no mercado com qualidade reconhecida por conceituados laboratórios nacionais e estrangeiros.
 
Imobiliária da Palanca
A imobiliária Uniprev está a desenvolver nos arredores do município da Humpoata, arredores da cidade do Lubango, um novo complexo habitacional designado Palanca Yetu com um número considerável de casas do tipo T3 e uma suíte.

O director adjunto da Uniprev, Edson Arsénio, informou que a apresentação do projecto habitacional teve adesão aceitável de várias empresas públicas e privadas, assim como de pessoas singulares pelas características das casas, vantagens de pagamento e urbanização.