A Empresa de bebidas Cerbab, sedeada em Cabinda, prevê produzir, até o final do ano em curso, 350 mil hectolitros de bebida, dos quais, 330 mil de cerveja e 20 mil de refrigerante top.

O director de produção, Fabricio Macaia, em entrevista ao JE, disse que só no I trimestre do ano em curso, a empresa produziu 107.859 hectolitros de cerveja e de gasosa. Comparativamente ao mesmo periodo do ano transacto (106, 242) houve
aumento de mil e 617 litros.
Na visão de Fabrício Macaia, devido ao aumento verificado na produção, leva-o a crer que a empresa poderá atingir a meta preconizada para o presente exercício económico.

Linhas de produção

De acordo com o director de produção, os principais gestores da empresa estão a pensar em ampliar as linhas de produção para corresponder à demanda que se verifica no mercado.
Por isso, urge a necessidade de a fábrica ter uma segunda linha de produção, porque com uma linha dificulta às vezes satisfazer a demanda dos clientes, disse o gestor.
“Estamos preocupados com esta situação, porque só temos uma linha de produção, por isso, estamos a pensar numa segunda.
Disse também que a matéria-prima para a produção da cerveja e da gasosa é proveniente da Bélgica, França e da África do Sul.
“O grupo tem 12 fábricas a operar no mercado nacional e dependem de uma estrutura central que se encontra em Genebra e França. Os gestores têm a responsabilidade de abastecer a matéria-prima no país para todas as fábricas. Adquirimos as garrafas em Luanda da Vidrul”, explicou.

Mão-de-obra

A valorização do trabalhador é o aspecto fundamental da empresa, que está focada principalmente na criação de excelentes condições de trabalho para que a empresa consiga atingir os objectivos preconizados.
O director dos recursos humanos, João Luemba, disse que o sucesso que a empresa tem alcançado no mercado, deve-se ao facto de a direcção ter como foco principal a valorização dos recursos humanos.
“Os trabalhadores têm tido todos os direitos que a empresa oferece, como assistência médica, subsídios, salários condignos e outras regalias. Aliás, recebem mensalmente nove grades de cerveja e três de gasosa”, disse.
O técnico explicou por outro lado que, muitos funcionários que começaram a trabalhar como técnicos normais, hoje são chefes de secção, de departamento e muitos deles vão para cargos de directores.
A Cerba tem 195 trabalhadores, dos quais, 4 expatriados e 191 nacionais. Deste número, 26 são mulheres. Os funcionários estão distribuídos nas áreas de administração/recursos humanos, contabilidade e comercial.