O Boletim Estatístico do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) esclareceu que a farinha de trigo ocupa a segunda posição, com 103 mil 164 toneladas (6,99 por cento), contra as 136 mil 584 toneladas do mesmo período em 2016, registando uma redução na importação deste produto de (33.420).
Ainda no mesmo período, a importação do arroz também registou uma redução de 15 mil 459 toneladas, importando 88 mil 989 (6,03), contra 104 mil 448 toneladas do período homólogo.
Outro produto que também registou uma baixa foi o cimento hidráulico (clinkers), com importação de 62.122 toneladas (4,21), contra 252.143 do mesmo período em 2016, tendo uma diferença de (-190.020).
Na mesma senda, a importação das carnes e miudezas comestíveis também sofreu uma diminuição de 16.096, com a importação de 43.405 (2,94) toneladas no trimestre em análise, contra 59.502 do período homólogo. Por outro lado, a importação das carnes de animais da espécie suína subiu de 6.576 para 7.320
toneladas, respectivamente.
A importação do sal (sal de mesa, desnaturado e cloreto de sódio puro) cifrou-se em 15.341 toneladas, contra 11.151 em 2016, registando um aumento de 4.189.
A importação dos fertilizantes (adubos) registou um aumento de 4.189 toneladas, sendo importado 15.341, contra 11.151 toneladas do período anterior.