O fórum Internacional de Telecomunicações e Tecnologias de Informação, denominado “Angotic 2018”, que acontece entre 19 e 22 de Junho, no centro de Convenções de Talatona, em Luanda, vai contar com a participação de 100 expositores do sector entre nacionais e estrangeiros.
O ministro das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, fez saber, recentemente, durante uma conferência de imprensa concedida aos jornalistas, que o Angotic 2018 constitui uma oportunidade para o surgimento de novas empresas no mercado e, deste modo, abrir espaço para o surgimento de mentes brilhantes que proporcionam os pequenos negócios.
O ministro sublinhou que a ideia do fórum “não é Angola trabalhar sozinha, mas sim no sentido de unir-se aos outros parceiros para melhorar as tecnologias de informação e comunicação no país”.
O evento, realizado anualmente, este ano terá um carácter internacional e é uma realização do Ministério das Tecnologias de Informação em parceira com a empresa Eventos Arena.
Já o secretário de Estado das Telecomunicações, Manuel Homem, que falava durante o lançamento da Angotic 2018 informou que o evento vai servir também para reflectir e partilhar informações sobre o desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos diferentes temas. “ Permitirá que os principais players do sector possam discutir e encontrar soluções para os diferentes problemas ”, afirmou.
O certame contará com a presença de cerca de 40 prelectores, entre nacionais e estrangeiros durante os quatros dias do evento. Entre vários temas abordados realce para as questões actuais, como o estado actual do sector, a importância das redes sociais, a Internet e outros.
Também vai analisar os benefícios das tecnologias nos mais diversos sectores ligados à banca.
Além disso, o fórum vai permitir também dar visibilidade aos vários projectos realizados por jovens angolanos do sector das tecnologias de informação das mais diversas escolas do país.
O Angotic que nesta edição vai se internacionalizar dará maior visibilidade às competências do mercado nacional, com reflexos importantes na geração de emprego, renda e qualidade de vida.
Segundo Manuel Homem, o fórum espera por cerca de 4.500 participantes e 100 empresas expositoras que participarão nos salões de exposições de alta tecnologia.