A II edição da Feira Internacional do Cuanza Norte (FICN)) que arrancou ontem em Ndatando, está a contar com a participação de 95 expositores, entre nacionais e estrangeiros.
Segundo o gestor da feira, Inocêncio Quipungo, nesta edição está a regista-se um número inferior de participação em relação a passada em que contou com mais de 100 empresas.
O arranque da segunda edição também marca a abertura oficial dos festejos do 62º aniversário da ascensão de Ndalatando (capital do Cuanza Norte) à categoria de cidade, a 28 de Maio de 1956.
A presente edição está a ser marcada com a estreia de investidores da Índia, liderados pela empresa “Competec”, um gigante indiano do ramo de equipamentos e máquinas, assim como o aumento de expositores dos sectores da banca e dos seguros, apesar da desistência de outros que participaram na edição passada.
Para Inocêncio Quipungo, o momento menos bom que atravessa a economia angolana, fruto da crise económica e financeira, estão na base da redução do número de expositores na presente edição da FICN, mas está optimista porque o evento abrirá novas oportunidades de negócio e de investimentos para a província.
O evento, que se estende até domingo (28 de Maio) no âmbito do 62º aniversário da cidade, será igualmente marcado com a ausência das empresas sul-africanas e espera-se que o pavilhão de Portugal, um dos tradicionais participantes estrangeiros, venha a aumentar o seu espaço de exposição.
O responsável não especificou em quanto o pavilhão de Portugal deve crescer.