A Galp Energia prevê duplicar a produção de petróleo até 2013, num plano que inclui investimentos no campo Tômbwa-Lândana, em Cabinda.

De acordo com o plano estratégico da empresa apresentado à imprensa, a Galp vai investir um total de 1,9 milhões de euros no projecto angolano e noutro a desenvolver-se no Brasil.

Situado no bloco 14 em off-shore, o campo petrolífero Tômbwa-Lândana, situa-se a 80 quilómetros da costa marítima de Cabinda, numa lâmina de água de 370 metros de espessura.

O campo envolve uma área de 425 quilómetros quadrados, de um total de 4.014 quilómetros do Bloco 14, cuja produção actual é proveniente das plataformas Benguela, Belize, Lobito Tomboco e Kuito.

A Galp Energia detém uma participação de 9 por cento do Bloco 14, onde a operação está a cargo da Chevron, com uma participação de 31 por cento, sendo as restantes associadas a Sonangol, a Total e a ENI, cada uma com 20 por cento.

No quadro dos seus investimentos entre este ano e 2013, a petrolífera portuguesa pretende, ainda, desenvolver negócios de gás, onde Angola vai estar incluída, num orçamento na ordem de 1,1 mil milhões de euros.

O segmento de refinação e marketing é outra meta da empresa, que vai receber 2,2 mil milhões de euros, concentrados na execução do projecto de conversão depois das redes AGIP e Esso terem sido adquiridas em 2008.

O total dos recursos de petróleo da Galp atinge os 4,1 mil milhões de barris, o que representa um crescimento de 3,3 mil milhões face a 2007, de acordo com as estimativas da empresa. A petrolífera estima alcançar um aumento médio anual do “cash-flow” operacional, superior a 15 por cento, entre 2008 e 2013.

No plano estratégico publicado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a petrolífera informa, também, que prevê conseguir um crescimento médio anual do EBITDA, ou cash-flow operacional, superior a 15 por cento até 2013.