A Gauff pretende aumentar o volume de negócios com a execução de projectos infra-estruturais em Angola. Durante o ano passado, a empresa teve um volume de negócios na ordem  de  83 mil milhões de kwanzas em 2012. Para este ano, está previsto um crescimento de 100 por cento.

Para o director da filial em Angola, Fernando Alvim, este crescimento será concretizado com a implementação da segunda fase do projecto “Águas do Lubango” e a construção de mais de 700 quilómetros de estrada prevista na província do Kuando-Kubango, em fase de negociações.

A empresa alemã trabalha neste momento  no melhoramento de infra-estruturas nas  províncias de Luanda, Kwanza-Sul e Huíla, com destaque para a rede de abastecimento de águas e saneamento básico com investimentos avaliados em cerca de 10 mil milhões de kwanzas.

Com parceiros como os ministérios da Construção (através do Instituto Nacional de Estradas) e da Energia e Águas, a Gauff está também a actuar na reabilitação de estradas nas províncias do Uíje, Lunda-Sul e Moxico.

Na província do Uíje, a actuação da Gauff está a incidir nas localidades do Maquela do Zombo e Chibata, além do  Nóqui, província do Zaire e Caxito, no Bengo, onde estão em fase conclusiva 1.000 quilómetros de estrada.

O responsável disse ao JE que a empresa tem aumentado a capacidade de intervenção dos projectos, além de os fiscalizar, a Gauff Engenharia dedica-se à mobilização de financiamento dos referidos projectos, a partir da linha de crédito da Alemanha.

Na perspectiva de garantir futuramente um melhor abastecimento de água para a cidade do Lubango, com aproximadamente um milhão de habitantes, a Gauff Engineering foi contratada para a realização de engenharia, procurement e project management (contrato EPPM).

Em relação à sustentabilidade do projecto, a empresa providencia o funcionamento do projecto, a formação de uma equipa do fornecedor de água local e realizará as formações respectivas em Angola e Portugal.

A empresa tem ainda apostada no tratamento das águas residuais, a nível da província de Luanda, devido ao crescimento que a província tem verificado nos últimos anos em novas cidades e urbanizações, pelo que se defende o tratamento das águas residuais.

 A Gauff defende ainda que o tratamento das águas residuais é uma questão ambiental que a empresa domina e, por isso, “gostariam de apostar nessa vertente”.

O responsável lembrou que a empresa está ligada à área de engenharia e fiscalização de obras de construção civil. Além dessa vertente, actua também na área social, apoiando orfanatos nas províncias do Uíje e Zaire.

Quanto à Filda, revelou que a empresa participa, regularmente, para dar a conhecer as suas acções ao público.