Adérito Veloso

No pólo industrial de Viana, em Luanda, continuam a crescer o número de fábricas ligadas aos diversos ramos da economia. Naquela localidade, o grupo empresarial Concentra tem instalado uma imponente unidade ligada à metalomecânica, construção e edificação.

O crescimento “atípico” que o país tem estado a viver nos últimos anos incentiva o referido grupo empresarial a apostar no segmento industrial.

A empresa de direito angolano e que se encontra no mercado há mais de 15 anos, incorpora três áreas, nomeadamente comércio e representações, diagnósticos, assim como indústria e logística.

Fornecimento de bens

Segundo fez saber ao JE, o director do grupo, Amin Alybay, a aposta no segmento industrial está assente no fornecimento de materiais de construção civil, para o programa do Governo de construir um milhão de fogos nos próximos quatro anos, bem como também no mercado formal e outras empresas ligadas à actividade de construção civil, por ser uma área em franco crescimento no país.

“Temos encetado alguns contactos com algumas entidades governamentais para fornecermos material de construção. Estamos apostados no grande desafio do Executivo angolano, que é o de construção de casas. Nós temos capacidade de garantir o material”, avançou, referindo-se aos instrumentos desde paredes, ferros, chapas onduladas e telhados.

Para o responsável, a empresa está a ter um excelente crescimento no mercado angolano tido como próspero na medida em que Angola assume grande importância no contexto dos países em forte desenvolvimento, o que para eles, não podem abrandar os investimentos porque senão irão regredir.

A inauguração da unidade

A fábrica começou a funcionar em Janeiro de 2009. Os resultados alcançados até ao momento são animadores, segundo destacou o responsável daquela firma.

“Nós investimos na indústria e logística cerca de USD 11 milhões. Isso tem permitido o aumento da produção. Temos feito um trabalho exaustivo”, disse o responsável, para quem os principais clientes do grupo são empresas construtoras de grande, médio e pequeno porte, assim como também o mercado informal. Sublinhou que o empreendimento industrial está a funcionar actualmente a 30%.

No entanto, o responsável garantiu que os cerca de sete meses de actividades dão indicação de que o negócio está a ser lucrativo.

Produtos

O empreendimento fabril comporta uma extensão coberta e armazéns de mais de 8 mil metros quadrados, de onde são produzidos painéis com tipologias diversas, onde se destaca os painéis Sandwish que permite fazer paredes e tectos com uma evolvente térmica

capaz de resistir à chuva e sol, mantendo um clima fresco dentro da estrutura.

Movimento na fábrica

Grande parte do material produzido na fábrica serve para montar vários empreendimentos a pedido do cliente. Os painéis Sandwish servem para montar e construir armazéns generalistas e frigoríficos, câmaras de frio, hangares, unidades industriais, supermercados, centros de conferências, estações de abastecimento de combustíveis, pavilhões desportivos, entre outros.

Quanto às chapas, a fábrica produz diversos tipos na qual se destaca as telhas portuguesas de 4 mm, chapa perfil para telhados de grande porte 4 mm e ondulada, dentre outras.

Grande parte do trabalho pré-fabricado é realizado na própria fábrica, contando com trabalhadores especializados da empresa. O tipo de material apresenta várias espessuras cuja medida pode ser ditada consoante a preferência do cliente.

Na unidade fabril de Viana, o Grupo Concentra tem instalado uma máquina de fabrico de blocos de poliestireno (esferovite).

Mão-de-obra

A fábrica conta com 90 trabalhadores (expatriados e nacionais) desde o pessoal administrativo até os operadores de máquinas.

O grupo empresarial garantiu que vai investir continuamente na formação dos quadros ligados à produção por forma a melhorar

os serviços.