YOLA DO CARMO

O grupo empresarial Anluta, especializado no fabrico de toldos e prestações de serviços nas áreas de comércio e construção civil, investiu, nos últimos sete anos, cerca de USD 3 milhões para a aquisição de matéria-prima no mercado internacional.

De acordo com o seu director geral, André Lucas Tange, o grupo tem uma capacidade de produzir três toldos por dia, numa dimensão de 16 metros quadrados do tipo “toldo braço” para restaurantes e farmácias de grandes dimensões.

“Os nossos produtos são fabricados com materiais de primeira linha, que garantem atender as exigências de resistência e durabilidade, ao que se soma um acabamento com excelente qualidade”, explica.

Preocupados em atender as necessidades dos clientes, a Anluta garante a fabricação e instalação dos seus produtos através de técnicos qualificados.

O empresário adianta que estão a trabalhar para atingir uma produção maior, comparativamente à actual, o que, no seu entender, passa necessariamente por outros investimentos, de maneira a satisfazer a clientela.

“No ano passado, a empresa investiu USD 147 mil para compra de novos materiais, que vão ajudar a estabelecer a produção de cerca de 280 mil toneladas de toldos”, afirma.

André Tange disse ainda que na produção de três tendas, a empresa pode obter um lucro diário de Kz 54 mil.

O toldo tem a dimensão de 4 metros quadrados, sendo que um toldo (tenda), nesta dimensão, está avaliado em USD 2.500.

“Fabricamos qualquer modelo de toldos e coberturas em lona e policarbonato, com 100% de claridade ”, disse.

Reaproveitamento

As lonas usadas são recauchutadas electronicamente nas reparações, o que garante um acabamento perfeito e com maior durabilidade.

Já as estruturas são feitas em aço galvanizado ou alumínio com acabamento em esmalte sintético.

A empresa presta ainda serviços de reformas, manutenções, troca de lona e coberturas em telhas galvanizadas, alumínio, pirâmide, sombreiros, toldos para corredores, escadas, cortinas rollon para área de churrasqueiras, lanchonetes e restaurantes.

De acordo com o empresário, este investimento incidiu principalmente na cidade de Luanda, por ser o ponto de atracção do segmento do negócio. Porém, as acções abrangeram de forma paulatina as províncias de Benguela, Cabinda, Malanje, Bengo, Kwanzas Norte e Sul, e Lundas Norte e Sul.

Outras áreas

Além do fabrico de toldos (tendas), a empresa actua também na área de jardinagem, onde está a utilizar um sistema de irrigação por "pivot central" que efectua a regra nas plantas por método localizado.

André Tange elogiou o programa do Governo de reparação das estradas, pois, no seu entender, serve de alavanca para o relançamento da jardinagem das diversas cidades do país.

O empresário explica que o grupo tem um número incalculável de clientes. De acordo com ele, o contrato mínimo de uma jardinagem fica no valor de USD 6.000 a 8.000, de acordo com a capacidade do cliente.

"Quando entendemos implantar este projecto, sabíamos que iríamos vencer esta batalha, pois Angola possui um clima favorável", explica.

Localizada no município de Kilamba-Kiaxi, bairro Kapolo II, a Empresa Nacional de Fabrico de Toldos vai apostar, este ano, no cultivo de café na província do Uíge.

Leia mais na edição desta semana do Jornal de Economia & Finanças, já em circulação