O grupo empresarial angolano “Bruno Miguel Pegado” vai disponibilizar no mercado angolano, a partir do II trimestre de 2019, as primeiras 280 viaturas de marca “Pegado”. O investimento repartido em três fases poderá atingir os 58 milhões de dólares que inclui a a implementação de uma fábrica de automóveis, no Waco Kungo, província do Cuanza Sul. Em entrevista ao JE, o director-geral da empresa, Bruno Miguel Pegado, explicou que o projecto inclui o fabrico de automóveis ligeiros de passareiros e pesados com inovações e preços até 25 por cento mais baixo que o actual cotado no mercado interno. “Teremos automóveis a partir dos dois milhões 950 mil kwanzas, o mais barato, sendo que o mais caro rondará os 14 milhões 950 mil”, disse, depois de ter frisado que o preço corresponde às viaturas que, numa primeira fase, estão a ser montadas na China. Asseverou que o objectivo é comercializar viaturas com assistência técnica garantida e peças sobressalentes sem limitações. Estarão disponíveis seis modelos, numa homenagem à cultura nacional, lugares e sítios, assim como a história angolana.

Aposta na indústria
Ressaltou que a unidade industrial a ser erguida num espaço de 100 hectare terá uma capacidade para produzir 1.200 viaturas por mês, entre automóveis ligeiros e pesados”, informou o jovem empreendedor.
Com a instalação da fábrica, disse, “a ideia é baixar ainda mais os preços dos carros”, na ordem dos 25 por cento do inicial.
O projecto prevê empregar mais de mil trabalhadores, dos quais 80 por cento
serão nacionais.

Financiamento
O empresário assegurou que durante a feira Intra-Africana que decorreu, recentemente, no Cairo, Egipto, a empresa recebeu uma nota positiva do Afreximbank, que se propõe a financiar o projecto tão logo estejam criadas as condições internamente.
“Por sermos uma startup ainda não temos um histórico financeiro elevado, por isso, precisamos de uma garantia soberana para assegurar o financiamento e finalizar o projecto global que ronda os 58 milhões de dólares”, realçou.
Afirmou que já foram rubricados acordos com países como a República Democrática do Congo, Egipto, Zâmbia, Tunísia, África do Sul, Arábia Saudita, Qatar e Líbano, que poderão importar os automóveis a partir de Angola, em 2021.