O Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) reuniu ontem com os investidores nacionais e estrangeiros interessados no processo de privatização da 2ª vaga das Unidades Industriais da Zona Económica Especial – Luanda Bengo (ZEE) para uma sessão de auscultação.
O Programa de Privatizações (PROPRIV) tem 3 principais etapas. A primeira compreende a alienação de activos de venda imediata, que são as unidades industriais da Zona Económica Especial (51 empresas), a segunda o planeamento e venda de activos imóveis de maior escala, como fazendas do Estado e explorações agrícolas públicas, e a terceira, Programa de Privatização (geral) que abrange as empresas públicas e participações seleccionadas.
Até o final desse ano, segundo o Igape, serão privatizadas 51 Unidades Industriais (UI) sediadas na ZEE, divididas em várias vagas.
Na primeira vaga foram privatizadas 5 unidades, na 2ª será focada em 13 empresas, designadamente a Indupackage (Indústria de embalagens metálicas), Betonar (Indústria de Pré fabricados e pré esforçados de betão), Galvanang (Indústria de galvanização a quente) e a Inducarpin (Indústria de carpintaria).
Serão privatizadas ainda as unidades como a Induplas (Indústria de sacos plásticos), Indutive (Indústria de tintas e vernizes), Mangotal (Indústria de torres metálicas), Pipeline (Indústria de tubos em PVC), Telhafal (Indústria de telhas metálicas), Transplas (Indústria de acessórios em PVC), Vedatela (Indústria de produção de vedações), Absor (Indústria de absorventes), Esaciango (Indústria
de sacos de cimento).
As restantes UI, segundo o Igape, serão integradas nas futuras vagas de privatização.
No entanto, o Igape informa que até o momento o processo de privatização das 7 UI tem cumprido com as melhores práticas.