Um milhão 516 mil 748,79 toneladas de carga é o volume total de bens diversos importados por Angola durante o I trimestre de 2017, representando uma redução de 82 mil toneladas em relação ao mesmo período de 2016, de acordo com dados do Conselho Nacionalde Carregadores (CNC).
A quebra na carga importada foi de -5,13 por cento, e o clinker voltou a ser a carga mais destacada ao representar 10,6 por cento.
Neste período, o volume total de carga contemplou produtos como arroz, com 10,2 por cento, açúcar de cana (7,4 por cento), a farinha de trigo (7,3 por cento) e de cereais (4,1 por cento), respectivamente.
O documento trimestral informa que o Porto de Luanda absolveu 77,8 por cento da carga total importada. Em queda estiveram também os portos de Cabinda 23,59
por cento e Lobito 6,93 por cento.
No período em análise, registou-se igualmente a entrada de mil 624 veículos, dos quais, 99,3 por cento desembarcaram no Porto de Luanda, registando uma queda de 19,52 por
cento de unidades de veículos.
O importador de destaque foi a Nova Cimangola, que importou 132 mil 824,27 toneladas de clinquer (8,76), menos 70 mil 616,33 face ao
primeiro trimestre de 2016.
A Biocom (5,16) e a Cimenfort Industrial (3,9) são as empresas que ficaram na segunda e terceira
posição, respectivamente.
Tailândia (13,3), Portugal (13) e Brasil (12,2) constituíram os principais mercados de exportação marítima para Angola, durante o I trimestre de 2017/2016.
A China ocupou a quarta posição com queda de 27,91 por cento.
A Ásia continua a liderar a lista das zonas de importação, por influência da China e a Coreia do Sul, com 39,5 por cento do volume global das importações, tendo exportado para Angola menos de 68 mil 297,41 toneladas em relação
ao mesmo período de 2016.
No segmento da exportação, o Porto do Namibe liderou com 73,15 por cento da carga, seguidos pelos portos do Soyo (12,8 por cento) e Luanda (10,16 por cento).
O granito e outras pedras de cantaria, com representatividade de 52,9 por cento, a madeira em bruto (8,11por cento) e a farinha de peixe (5,47 por cento) foram os principais produtos exportados de Angola durante o período em análise.