O Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec) formou setecentos e quarenta e oito agentes manipuladores de alimentos, de 252 operadoras comerciais em matéria de higiene e segurança alimentar na província da Huíla.
A informação foi prestada nesta quarta-feira à Angop, pela directora provincial do Inadec, Bárbara Coutinho, salientando que a formação incidiu fundamentalmente na capacitação dos manipuladores em aspectos de prevenção de risco de contaminação dos alimentos em todas as etapas de produção.
Sublinhou que durante o período em análise os operadores da indústria alimentar foram dotados de conhecimentos sobre a importância do cumprimento das regras de higiene pessoal e normas de conduta nos estabelecimentos onde há manuseamento de produtos alimentares, tipos de perigos existentes e de que forma podem provocar a contaminação dos géneros alimentícios.
Foram igualmente passadas informações sobre a importância do processo de higienização das instalações e equipamentos, bem como as regras básicas a adoptar e a importância da eliminação dos lixos das instalações, entre outras informações.
Explicou que o Inadec quer ser, antes de fiscal, conselheiro, mudando um pouco o conceito de fiscal para professor e, deste modo, aumentar o conhecimento sobre essa matéria, tanto dos operadores como dos consumidores.
Mais de duas mil infracções comerciais são registadas todos os anos na província da Huíla, sobretudo ligadas à prestação de serviço na área alimentar. O Inadec vai continuar a garantir os direitos do consumidor, exortando os compradores a exigirem que os produtos expostos nos estabelecimentos comerciais sejam rotulados para melhor se informarem. A instituição tem estado a desenvolver acções de sensibilização nos vários estabelecimentos comerciais para manutenção dos direitos do consumidor.

Reclamações
Na província da Huíla, a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) lidera a lista de reclamações, sobre a má prestação de serviços, que deram entrada no guiché do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), na Huíla.
A empresa de transporte Macon e a de telecomunicações Movicel, assim como estabelecimentos de reparação de telemóveis seguem na lista das reclamações por má prestação de serviço, avança a Angop.
Estas reclamações totalizadas em 140, 25 delas pertenciam à empresa de energia, referiu o Inadec na Huíla.