Ainclusão financeira constitui um factor determinante para o desenvolvimento humano, na visão da primeira-dama da República. Ana Dias Lourenço falava ontem à imprensa durante a cerimónia de abertura da II edição da Feira do Investidor, que arrancou, em Luanda, na Mediateca 28 de Agosto. A actividade projecta sensibilizar os vários operadores sobre a importância da literacia financeira no cidadão. A Feira do Investidor é um evento promovido pela Comissão do Mercado de Capitais, no âmbito da Semana Mundial do Investidor, que ocorre em todo o mundo. De acordo com a primeira- -dama, a iniciativa é promovida pela Organização Internacional das Comissões de Valores (IOSCO) e tem como meta, sensibilizar e aumentar a importância e a protecção do investidor na sociedade. “Tratando-se de uma campanha que decorre em todo o mundo, em Angola não podia ser diferente, pois, visa despertar a consciência sobre a importância da educação financeira, facultar ferramentas básicas com vista a protecção do investidor e promover a cultura de poupança para investimento”, disse. A primeira-dama da República considerou necessário o reforço das competências do cidadão em relação à poupança, já que constitui um objectivo das economias. Explicou que os organizadores deste evento são instados a convidar uma personalidade pública de referência para apoiar a divulgação e elevar a importância do evento, razão pela qual decidiu juntar-se à iniciativa.

Aposta na digitalização
A inclusão financeira é crucial para o desenvolvimento humano, por maioria de razão para o desenvolvimento de qualquer país.
Numa altura em que o mundo vai apostando cada vez mais para o digital, em que os processos se desmaterializam é imperioso todos os cidadãos serem parte integrante do sistema financeiro, utilizando as ferramentas disponibilizados neste sistema para gerir de forma adequada aos seus rendimentos e poupanças.
Uma economia forte depende em grande medida de uma forte capacidade de poupança e aplicação eficiente destas poupanças no sistema financeiro.
A dinamização do mercado de capitais em Angola, já com a Bolsa de Valores a funcionar com profundidade e liquidez, fará com que uma nova geração de empresas angolanas aptas empreendam com capacidade de renovar.

BM apoia AGT na abertura
de empresas

Uma missão do Banco Mundial sobre Serviços de Assessoria Reembolsáveis (RAS) está em Luanda, para apoiar o processo de melhoria do ambiente de negócios.
Ao serviço da Administração Geral Tributária (AGT), a missão está a apoiar, desde 23 de Setembro, a criação de uma plataforma online para a abertura de  empresas, de acordo com o documento a que Angop teve acesso nesta quarta-feira.
A missão que permanece, em Luanda, até o próximo dia 11 de Outubro, vai também  apoiar a  simplificação dos procedimentos  de importação, exportação e a melhoria da tributação dos negócios. A componente de tributação dos negócios consistiu na apresentação de uma nota de experiências internacionais para promover a formalização das empresas.
A assessoria integra também a realização de uma formação prática para funcionários da AGT sobre controlo e auditoria fiscal, cuja acção formativa decorre de 30 de Setembro a 11 de Outubro, deverá  data que termina a missão, com a apresentação de um novo manual de auditoria fiscal à AGT.