O jovem angolano Paulino Cunha está a estudar medidas para frequentar o mestrado numa das universidades alemãs para desenvolver estudos que vão culminar com a produção de tecidos e uniformes militares adequados às condições climáticas do país.

Paulino Cunha, que falava em exclusivo ao JE disse que quando o tecido não se adecua às condições climáticas do país, e até mesmo da região, a probabilidade deste criar infecções para os utentes é maior. De acordo com o especialista, o país precisa encontar mecanismos destinados à enveredar pela produção de tecido que vai ao encontro das condições climatéricas. Para o especialista, caso se efective o projecto, além de produzir uniformes militares para o país a meta é trabalhar igualmente para comercializar o produto em toda a região, dada a similitude das condições climáticas.
O projecto que o académico Paulino Cunha pretende desenvolver para o país, prevê reduzir o actual custo dos uniformes militares e para militares em aproximadamente 50 por cento do custo total, “se as autoridades angolanas apoiarem o meu projecto podemos reduzir os actuais custos de importação dos uniformes” disse. Custos
Anualmente o país despende aproximadamente 47 milhões de dólares na aquisição de uniformes militares e para militares, que podem ser poupados, caso se desenvolva o projecto. Importa sublinhar, que a indumentária militar e para militar, consta entre os segmentos, que mais receitas consome dos governos.
De recordar que desde 2017, que o Estado angolano estuda medidas para investir mais de 10 milhões de euros na criação de uma empresa pública para produzir calçados e uniformes militares, na província do Moxoco.