A experiência da gestão da crise económica, iniciada em finais de 2014, vai permitir ao novo Governo, liderado por João Lourenço, adoptar um orçamento mais contributivo, para tornar a economia interna mais eficiente, afirmou segunda-feira o presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino.
Além deste desafio, José Severino espera que o novo Presidente da República resolva problemas ligados à melhoria da gestão dos recursos, menor endividamento externo, ensino e educação.
O presidente da AIA, que falava à Angop, à margem da apresentação do livro de sobre “economia angolana de 2015 a 2017”, da autoria do economista Alves da Rocha, é defensor de uma maior utilização de matérias-primas nacionais na indústria, uma agricultura com desenvolvimento acelerado, apesar das condições financeiras e cambiais do país não propiciarem mudanças rápidas.
Em paralelo, pede ao Governo que aumente a oferta do fornecimento da energia eléctrica, estrada, água e telecomunicações, factores de desenvolvimento que podem ser obtidos através de melhores políticas de investimento estrangeiro.
A par disso, o Executivo de João Lourenço deve prestar atenção prioritária ao combate à taxa de inflação, melhoria do ambiente de negócio, combate e às assimetrias regionais.