O processo de Recenseamento de Empresas e Estabelecimentos (REMPRE 2019) inicia, a partir de Novembro, em cinco províncias, nomeadamente Bengo, Cuando Cubango, Huíla, Luanda e Malanje.
Segundo fez saber em nota o Instituto Nacional de Estatística (INE), o processo tem uma lógica programática e de operacionalização muito específica e decorre com o recenseamento piloto, no período de 4 a 16 de Novembro, nas regiões anunciadas.
O INE pretende testar, em ambiente real, os princípios metodológicos, ao que se segue a operação de recolha principal de cobertura integral do país.
O objectivo do REMPE 2019 é identificar o universo de empresas e seus estabelecimentos em Angola, melhorar o conhecimento sobre o sector informal e suas ramificações a nível do tecido empresarial, assim como definir a estrutura de custos das empresas, os seus consumos intermédios e promover o registo estatístico das empresas.
O INE anunciou recentemente o início da recolha, processamento e divulgação de dados sobre a Agricultura, Pecuária e Pescas no país, no âmbito do projecto de Recenseamento Agro-Pecuário e Pescas (RAPP 2018-2019) lançado, em Setembro, no Cuito (Bié).
A acção vai abranger 25 mil e 500 aldeias nas 18 províncias do país, sendo que os agentes que vão trabalhar no aludido projecto começaram a ser recrutados no mesmo mês.
Na altura, o director-geral do INE, Camilo Ceita, informou à imprensa que estão já disponíveis mais de 29 milhões de dólares norte-americanos, financiados pelo Banco Mundial, para o projecto que conta igualmente com a parceria dos Ministérios da Agricultura e Florestas, Pescas e do Mar, bem como dos governos provinciais. A iniciativa, que envolve famílias camponesas e empresas agrícolas, vai fornecer ao Executivo e ao sector empresarial indi