Seis postos e centros de saúde, dois laboratórios de análises clínicas e dezoito farmácias privadas, foram encerradas em 2018, nesta cidade, pelo departamento provincial de Inspecção e fiscalização de saúde,por funcionamento ilegal.
A informação foi dada quarta-feira, à Angop, pelo chefe de Departamento de Inspecção e Fiscalização de Saúde, Miguel Noé, quando procedia o balanço das acções realizadas no ano transacto, tendo referido que das infracções, destaca-se a falta de técnicos especializados e a má conservação de medicamentos nas unidades.
Precisou que o encerramento resultou das actividades de fiscalização em 63 unidades sanitárias privadas e 15 estatais, do qual culminaram ainda com apreensão de elevadas quantidades de medicamentos diversos expirados e meios hospitalares por certas irregularidades, nos municípios de Malanje, Cacuso, Caculama,Kiwaba Nzoji e Calandula.
Fruto das irregularidades, disse, foram aplicadas várias multas que culminaram com a arrecadação de 574 mil e 880 kwanzas para os cofres do Estado contra os 262 mil 951 de 2017.
Comparativamente ao ano de 2017, segundo Miguel Noé, que haviam sido 5 unidades sanitárias e 10 farmácias por diversas infracções como infra-estruturas inadequadas e por exercício ilegal de actividade, no ano 2018 a cifra subiu devido a rigorosidade imposta na legalização das acções fruto da “Operação Resgate” em curso no país.
Por outro lado, o responsável referiu que o departamento de inspecção conta com apenas 7 inspectores, número insuficiente para satisfazer a demanda da província, pelo que necessita-se de pelo menos 24 outros quadros, para garantir maior cobertura na realização dos trabalhos.