O surgimento da internet, nos anos 1960, está relacionado ao contexto da Guerra Fria, período do pós-guerra, entre 1945 e 1991, em que os Estados Unidos (EUA) e a União Soviética (URSS), liderando blocos ideológicos antagónicos, disputavam a hegemonia económica e a influência política, militar, ideológica e até desportiva.
Desde que surgiu, a internet encurtou distâncias e facilitou globalmente o acesso à informação, mas a sua expansão também está ligada a uma série de questões que ainda não foram totalmente regulamentadas para proteger a privacidade dos usuários.

Expansão no país
Em Angola, o ministério das telecomunicações e tecnologias de informação tem vindo a levar a cabo um conjunto de acções que visão oferecer ao público um leque de serviços tendentes a minorar as dificuldades de acesso à informação e garantir a inclusão digital da população angolana.
Prova disso, são os projectos de internet que vão sendo aprovados e implementados um pouco por todo o país.
O Ministério instalou nomprincípio do mês, no Bengo, três pontos do sistema de internet grátis “Angola Online”. Antes já havia, inaugurado um ponto de internet grátis no Centro Comunitário da Juventude do bairro da Fubú, em Luanda.
No Bengo, o sistema de internet grátis está instalado na Escola Superior Pedagógica, nas delegações de Edições Novembros (Jornal de Angola) e do Instituto Nacional de Fomento de Sociedade de Informação (INFOSI). O projecto prevê ainda 14 pontos, nas localidades do Pango Aluquém, Bula Atumba e Dembos.
O projecto Angola Online está, igualmente, instalado em algumas escolas do país. O limite de acesso e cobertura do sinal é de 300 metros quadrados de distância de cada ponto instalado, sendo que cada usuário tem duas horas, por dia, para navegar de forma gratuita. Assim, e dando corpo ao desiderato foi inaugurada no dia 06 de Janeiro do ano corrente no bairro Tala-Hady, município do Cazenga em Luanda, a primeira vila digital, em cerimónia presenciada pelo titular da pasta José Carvalho da Rocha. O projecto visa criar pontos públicos de acesso à internet de forma gratuita em diversas localidades do país, com vista a democratizar a ligação à internet, que facilita a informação e o conhecimento às populações mais carentes e aumentar a literacia digital.
Esses esforços estão consignados nos estatutos do ministério que definem como uma das suas responsabilidades, formular políticas, directrizes, objectivos e metas dos serviços de telecomunicações e de desenvolvimento da infra-estrutura de suporte às tecnologias da informação e comunicação.

Lunda Sul
Outra iniciativa está em curso na província da Lunda Sul, onde se prevê que o projecto “ Mbongue net” volte a funcionar ainda no decorrer de 2018, fornecendo o serviço de internet de forma livre e gratuita recorrendo ao sistema de banda larga. Em declarações recentes à imprensa, o director dos transportes, telecomun icações e tecnologias de informação da Lunda Sul, Ferreira dos Santos, anunciou a chegada de técnicos do ministério para avaliarem o estado dos equipamentos do referido sistema.


Huíla
Na província da Huíla, as sedes municipais passaram a contar desde o princípio do ano com um sistema de internet para permitir com maior agilidade o contacto das populações com o resto do país e do mundo. Com esse sistema, acredita-se ser possível a instalação de salas de informática nas escolas municipais, conectadas ao sistema da internet, de modo a ensinar as crianças a conviverem e manejarem este importante instrumento.