O Estado de Israel dispõe de 60 milhões de dólares norte-americanos para investir em vários domínios em Angola, com destaque para a construção de uma fábrica de energia solar na província de Benguela, para colmatar o défice em termos de produção e distribuição de electricidade.
Segundo a Angop, essa informação foi avançada na quarta-feira, em Benguela, pelo embaixador daquele país em Angola, Oren Rosenblat, quando falava à imprensa, depois de um encontro de cortesia com o governador provincial Rui Falcão, salientando que a construção da referida fábrica surge em resposta a uma solicitação do executivo local.
Oren Rosenblat revelou que a província de Benguela regista irregularidades na produção e distribuição de energia eléctrica, com vista ao desenvolvimento desta parcela do país, com destaque para o seu parque industrial, daí a iniciativa de construção da fábrica de energia solar, nos próximos tempos.

Projecto
A infra-estrutura, com capacidade de produzir 50 megawatts, será edificada por empresários israelitas, no âmbito de um projecto que aquele Estado vem desenvolvendo nos últimos cinco anos para o crescimento sustentável dos países africanos, principalmente em localidades longínquas e populações que não disponham de energia da rede nacional.
Por outro lado, enfatizou que a prioridade de Israel em Benguela recai, essencialmente, para o Sector Agrícola, pois os 10 municípios da província possuem excelentes áreas para a prática da agricultura.
“O nosso objectivo primário é contribuir para a expansão da actividade agrícola, através do intercâmbio técnico, tendo em conta o grande potencial agrícola da região, cujas bases assentam na agricultura familiar, para incentivo da participação do Sector Privado em projectos exequíveis traçados pelo Executivo, em função da exiguidade de recursos financeiros”, disse.
Referiu que o Estado de Israel investiu já usd 300 milhões no Sector Agro-pecuário em Angola, desde 2014.
“Queremos estabelecer cooperação com o Governo de Benguela nos sectores agrícola e de energia, a exemplo das já estabelecidas em diferentes províncias, onde fazendas agrícolas edificadas por israelitas avançam com sucesso, garantindo deste modo a segurança alimentar
daquelas regiões, “referiu.

Corredor do Lobito
Questionado sobre a importância do Corredor do Lobito, afirmou que o seu desenvolvimento passa, necessariamente, pelo aumento do volume de investimento interno.
Na sua óptica, no Continente Africano denota-se um problema “os empresários preferem fazer investimentos no exterior dos seus países”, frisou.
Para Oren Rosenblat, o aumento de investimentos no Corredor do Lobito é fundamental para o futuro das economias de Angola, República Democrárica do Congo e Zâmbia, processo em que o Caminho de Ferro de Benguela vai jogar um papel de destaque.
Durante dois dias, o embaixador do Estado de Israel, igualmente emissário para a região da SADC, conheceu as reais potencialidades da província de Benguela, com destaque para o Porto do Lobito, Caminho-de-ferro de Benguela, o Sistema de Tratamento de Água do Luongo, Fábrica têxtil, Subestação de Energia no município da Ganda, Estações veterinária, agropecuária e piscícolas da Fazenda Utalala.