Apesar de o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) aumentar as receitas fiscais do Estado, também está sujeito a fugas ao fisco, segundo o
economista Carlos Rosado.
O também docente universitário falava esta semana, em Luanda durante o seminário sobre “Jornalismo Económico como Instrumento de Transformação Social”, promovido pela Associação de Jornalistas de Angola (AJECO).
Carlos Rosado entende que este instrumento deve ser adiado para uma outra data, para permitir aos legisladores mais tempo de trabalho.
Lembrou que os deputados à Assembléia Nacional estão de férias e retomam ao trabalho a meio do mês de Outubro.
“Não acredito que, em dois meses, toda a legislação a ser produzida esteja pronta para que o IVA seja implementado a partir de Janeiro do próximo ano. Penso que há precipitação”, adianta.

Jornalismo económico
Sobre esta materia frisou que os profissionais têm feito pressão aos órgãos públicos no sentido da prestação de contas, para permitir maior transparência na gestão das instituições, com vista a combater a corrupção.
Entende não ser uma tarefa fácil, por haver barreiras no acesso às fontes de informação, uma das grandes dificuldades do sector informativo, por precisar de relatórios, balanços, entre outros dados económicos para a sua divulgação.
O seminário serviu também para homenagear com certificados de mérito os ex-jornalistas económicos António Freitas, e Pedro de Jesus Chitas, que em vida deram o seu saber para o desenvolvimento do jornalismo económico.