A Jamba-Mineira vai resgatando, aos poucos, a sua mística para voltar a ser um dos grandes jazigos de exploração mineira no país, com a reabilitação das principais infra-estruturas públicas.
Os factores de desenvolvimento do município, que se situa na província da Huíla, estão assentes, sobretudo, no sector de exploração mineira, onde se precisa, com urgência, atrair cada vez mais potenciais investidores.
Em função disso, vários projectos de desenvolvimento estão em curso, com o fito de criar melhores condições para o empresariado nacional e estrangeiro.
O administrador municipal, Miguel Cassela, garante que já se fala no crescimento local, mas se queixa do fornecimento de luz eléctrica, por sinal um problema que assola grandemente muitas regiões do interior. Entende ser um factor que emperra o desenvolvimento sócio-económico e com a Jamba Mineira não seria diferente.
O município completou 48 anos de existência. Já vai na sua II edição da Expo-Jamba. O que, internamente, é qualificado como um bom indicativo de que o município acredita nos recursos naturais que possui e que quer partilhar. Mostra igualmente de que há sinais claros de estar alinhado com o modelo político-administrativo a implementar em 2020, ou seja, as autarquias locais.
“Estamos preocupados e, por isso, auguramos um fornecimento de energia eléctrica que não dependa de geradores como está acontecer até ao momento”, disse, acrescentando que, face ao potencial e a disponibilidade de áreas de investimento que o município possui, impõe-se a necessidade de se reabilitar as vias secundárias e terciárias para os sectores do Ndjomba, Mucuiu, Vihongue, Cussava, Mutiapulo, Ndumba, Valódia
e Tchatona, principalmente.
A mobilidade é um dos factores que tem causado dificuldades e a limitar as pessoas no seu movimento diário na procura de soluções de sobrevivência. O administrador assume estar atento e interessado em dar à volta por cima. Por isso, defende a reabilitação do troço que liga a sede do município da Jamba à da comuna de Cassinga, na Estrada Nacional 120, que liga a cidade de Ondjiva, província do Cunene à do Huambo.

Empresas
Na II edição da Expo-Jamba participaram mais de 20 expositores, entre empresas de exploração mineira, Caminho-de-ferro de Moçâmedes (CFM), Ferrangol, Geo-Angola, empresas de construção civil e produtores locais que mostraram o seu potencial.
Ferro
Projectos de desenvolvimento estão em fase de operação no município. Por exemplo, o equipamento de metais e ferro para a montagem da nova lavaria de ponta, que vai processar todo o minério de ferro, está a ser concentrado na zona onde, segundo reza a História, teve início a construção do acampamento mineiro da Jamba, com o nome de “Antero” e a sua evolução para vila em 1963.
À medida que se intensificava a actividade de exploração mineira, consubstanciada na prospecção, construção civil e exploração inicialmente em miniatura, numa lavaria piloto montada ao lado do acampamento, dinamizou-se o crescimento da região, conhecida hoje por Jamba Mineira. É neste local, onde são visíveis os sinais que vão culminar com a reactivação da exploração do ferro.