O presidente da República, José Eduardo dos Santos, sublinhou nesta terça-feira, em Lisboa (Portugal), a importância da dinamização das relações entre Angola e Portugal, quando falava à imprensa depois de um encontro com o seu homólogo, Aníbal Cavaco Silva.

“As nossas relações são boas”, asseverou, “eu diria que são excelentes, mas também é verdade que nem tudo está feito, (…) há muito por fazer, Angola é um país que está em paz, em reconstrução e que garante hoje condições para que os empresários portugueses possam desenvolver os seus negócios”.

O propósito do governo angolano é que os dois governos “possam estabelecer um mercado financeiro que permita a expansão do investimento, quer no sector público, quer no privado”.

E no sector privado pretende-se definir parcerias que sejam criativas, produzam resultados e possam resolver os problemas dos respectivos povos.

Angola e Portugal sentem os efeitos da crise mundial e a contribuição dos empresários poderá ser “bastante útil”, segundo José Eduardo dos Santos, para a procura de soluções que “permitam aliviar ou atenuar os efeitos desta crise económica financeira internacional”.

Reconheceu que os investimentos que se vão verificando, de angolanos em Portugal, são, “por enquanto, passos tímidos”.

“O nosso desejo é no sentido de continuarmos a ampliar este esforço de tal maneira que através de participações cruzadas se possa aumentar o investimento angolano em Portugal e o investimento português em Angola, enfatizou José Eduardo dos Santos.