A União Europeia (UE) vai disponibilizar 12 milhões de euros para a construção de lojas rurais, nas províncias da Huíla e Huambo, para a conservação e comercialização de alimentos.
A informação foi avançada em Luanda, pelo embaixador da UE em Angola, Tomas Ulicny, tendo frisado que o projecto tem como objectivo permitir que o produtor possa comercializar os produtos, reforçar a sua capacidade, bem como estimular a produção nacional.
Tomas Ulicny referiu que o projecto visa apoiar a aquisição antecipada e pós-colheita dos produtos agrícolas e terá uma duração de quatro anos.
A iniciativa prevê organizar toda cadeia produtiva e comercial, com o propósito de ficar mais próxima da produção agrícola familiar e consequentemente, permitir o escoamento dos alimentos aos centros de maior consumo.
O programa prevê igualmente a promoção e organização de cadeias alimentares, o bem-estar animal e a gestão de riscos na agricultura.
Contempla ainda restaurar, preservar e melhorar os ecossistemas e promover a utilização eficiente dos recursos e apoiar a transição para uma economia de baixo teor de carbono e resistente às alterações climáticas nos sectores agrícola, alimentar e florestal.
Visa igualmente, a inclusão social, a redução da pobreza e o desenvolvimento económico das zonas rurais.
Consta da estratégia da UE fomentar a transferência de conhecimentos e a inovação nos sectores agrícola, florestal nas zonas rurais, bem como reforçar a viabilidade e a competitividade de todo o tipo de agricultura, além de incentivar as tecnologias agrícolas inovadoras e a gestão sustentável das florestas.

Huambo destaca-se
Segundo apurou o JE, a província do Huambo apresenta um projecto avançado, já que todos os 11 municípios, com potencial agro-pecuário estão abrangidos.
O presidente da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agrárias de Angola (Unaca), Albano Lussati, considera que a incompatibilidade na comercialização e escoamento do produto do campo tem sido a principal causa da “deterioração” dos alimentos.
Dados do Ministério da Agricultura e Florestas indicam que a população rural está estimada em cerca nove milhões 635 mil e 37 habitantes, equivalente a 37,4 por cento da população total.
O espaço rural agrário e silvícola do país está calculado em 35 milhões de hectares de terra arável e 50 milhões de hectares de área florestal.