Operadores económicos que actuam nas distintas vertentes do comércio expressaram ontem por unanimidade em Saurimo, o seu engajamento para criar stok suficiente de produtos e respeito às normas na aplicação de preços, para que a população tenha o essencial durante a próxima quadra festiva.
Num encontro de concertação, o governador da província, Daniel Neto, apelou à todos os actores económicos, especialmente aos gestores de armazéns, câmaras frigoríficas, agências de gás, postos de abastecimento de combustíveis e farmacéuticos no sentido de cumprirem com as normas.
O governante disse que os comerciantes devem ter uma atitude positiva para “evitarem a mão pesada da lei” por descaminho de bens “e outras engenharias que visam aumentar a margem de lucro”.
Por isso garantiu que a polícia nacional através das estruturas competentes vai cumprir com o seu papel trabalhando em regime no stop, em parceria com a população, cuja vigilância permitiu, através de denúncias, desvendar crimes e punir os prevaricadores.

Justificações
Em reacção às inquietações, o gerente administrativo da Shoprite, Inácio Sério, garantiu que a chegada regular de camiões da empresa com produtos da cesta básica, alterou o cenário de crise gerida durante dois meses pela empresa detentora da maior superfície comercial na província. Considerou que a forma expedita das entidades na realização de inspecções, atenua o risco de deterioração de produtos por longos períodos de espera.
Entre várias preocupações avançadas, o agente da agência de gás, Alfredo Muacandala explicou que a escassez do produto tem haver com a quebra de stock na cidade do Luena, província do Moxico, principal ponto de reabastecimento. Notou que os encargos com transporte anteriormente assumidos pela SONAGás, fez com que uma botija de 13 quilogramas fosse
vendida ao preço de kz 2.000.
A degradação da estrada nacional 230 foi o principal transtorno apontado pelo representante da Sociedade
comercial Olissa Mwana.