O terminal de transporte inter-provincial da Macon prevê, este ano, criar uma nova rota para ligar a cidade do Luena à vila fronteiriça de Lumbala-Nguimbo (sede municipal dos Bundas), província do Moxico, no âmbito da extensão da sua área de acção.
Segundo o auxiliar de tráfego do terminal da Macon, César Daniel Silvano Manú, que avançou a informação à Angop, no Luena, à medida que a companhia cresce vai abrindo novas rotas nos municípios do interior desta província para servir a população com serviços de qualidade e segurança.
“Precisamos de chegar nesses pontos, para unir todo o país, através da operadora”, disse o funcionário, sem adiantar o número de autocarros que vão operar na rota.
Para além da linha Luena-Saurimo, a companhia rodoviária opera também no município fronteiriço do Luau, passando pela cidade de Saurimo (Lunda Sul), por falta de uma estrada directa, Luena-Luau, em condições de transitabilidade.
Entretanto, o primeiro serviço deste ano do terminal de transporte inter-provincial de passageiros (Macon), deixou domingo a cidade do Luena, com 13 viajantes a bordo, com destino a Saurimo (Lunda Sul), apurou a Angop no local.
Segundo o auxiliar do tráfego do terminal, Daniel Sambumba, em comparação ao primeiro serviço realizado no ano transacto (2016) houve uma diminuição de 20 passageiros.
Numa ronda efectuada domingo pela Angop, na cidade do Luena, constatou-se que a maioria das estações rodoviárias, ferroviária e parques de transporte público, encontra-se encerrada, com excepção da Macon que tirou um serviço, dos três realizados nos dias normais de expediente.
O auxiliar de tráfego em serviço na Macon minimizou a situação, por ser um dia sagrado, onde toda gente quer descansar e conviver com a sua família, augurando que nos próximos dias a afluência de passageiros volte a normalidade.
O mesmo cenário regista-se em relação aos moto-taxistas, vulgo “kupapata”, na sua maioria, encostou as motorizadas para o relaxe absoluto, em companhia dos seus familiares e amigos.
O moto-taxista João Santos contactado pela Angop, sublinhou que as primeiras horas do ano novo devem servir para uma reflexão profunda sobre a vida e os projectos a seguir nos próximos tempos, bem como avaliar os resultados do ano anterior para melhor posicionamento.
A ideia foi corroborada pelo seu colega motorista de táxi automóvel (azul e branco), Félix Cala, que na altura transportava três passageiros para a igreja.