As operações da Macon no Huambo retomaram a normalidade quarta-feira depois de na terça-feira a companhia ter suspenso as partidas para cinco destinos, devido à falta de passageiros, noticiou a Angop.
Depois de ter estado sem capacidade para atender a demanda de passageiros que pretendiam passar a festa de Natal noutras províncias do país, a Macon, operadora de transporte público inter-provincial, encerrou, esta semana, algumas rotas por falta de viajantes.
Em declarações à Angop, o responsável do Plantão Operacional desta empresa privada, David Orlando António, informou estarem encerradas, apenas hoje, as rotas Huambo/Namibe, Huambo/Ondjiva, Huambo/Menongue, Huambo/Santa Clara, Huambo/Cuito e Huambo/Benguela.
Nesta altura, segundo ele, estão disponíveis apenas as rotas Huambo/Luanda e Huambo/Lubango, com apenas um serviço, contrariamente aos anteriores 11 e 13 serviços nos dias que antecederam a festa do Natal.
Confirmou que os preços por viagem se mantêm, sendo sete mil e 100 kwanzas na rota Huambo/Luanda e seis mil Kwanzas para quem queira
viajar para a cidade do Lubango.
Esta semana a Angop constatou um cenário incomum, no terminal de embarque da MACON, onde compareceu um número insignificante de passageiros, não para viajar, mas para adquirir bilhete para embarcar na quarta-feira.
Já na transportadora Ango-Real, a enchente, na rota Huambo/Luanda, ainda continuou esta manhã, estando disponíveis os mesmos quatro serviços, insuficientes para atender a grande demanda.
A Macon foi fundada em maio de 2001 e começou operando linhas urbanas na cidade de Luanda. Em 2005, a Macon iniciou um processo de modernização e crescimento, investindo no desenvolvimento humano e profissional dos seus colaboradores que culminou com o aperfeiçoamento
e ampliação dos seus serviços.
A Macon é uma empresa angolana de direito privado, concessionária dos serviços públicos de transporte rodoviário de passageiros (Urbano e Interprovincial) com uma moderna frota de veículos. A sua base central está localizada na província de Luanda, no município de Belas (Kilamba Kiaxi). No total, a Macon emprega mil e 800 funcionários.
A transportadora rodoviária, investiu recentemente mais de cinco milhões de dólares na construção do seu novo terminal rodoviário interprovincial de Luanda, para movimentar cerca de 160 autocarros por dia, escalados em 80 horários de saídas e 80 de chegadas.
Além do aumento da capacidade de meios, a administração estima que a nova estrutura, permitiu o aumento para sete mil o número de passageiros transportados por dia, para 17 das 18 províncias. No novo terminal, estão também disponíveis, entre outros, os serviços de recepção e entrega de encomendas, além do transporte de cargas, inovações da empresa que estão em operacionalização desde a semana passada.