A desaceleração registada nos últimos anos no sector da construção civil e obras públicas no país está a afecta significativamente o mercado de comercialização de tintas e revestimentos, de acordo com a análise do representante comercial da empresa CIN na região Sul.
José Falanga, que liderou a empresa na Expo-Huíla, onde apresentou como novidade a tinta e argamassa de revestimento impermeável, susceptível a colaboração diferenciada, disse que a procura ficou retraída por causa da redução de volume de obras nas províncias.
“Claro que há ressentimento devido a desaceleração da economia. Ainda assim, devemos sublinhar que apesar desta crise o país não parou e continuamos a ser a opção primeira escolhas dos clientes, que gostam de qualidade e obras duradoras”, disse.
O director comercial, que tem uma unidade fabril em Benguela disse que, a empresa mantém níveis aceitáveis de venda, pela aposta na qualidade e durabilidade dos seus produtos e pela estratégia de marketing focada na fidelização dos clientes.
Disse que a fábrica de tintas CIN, há 40 anos em Benguela continua a produzir neste momento, 12.600 toneladas de tintas diversas para atender a procura, e fazer face à concorrência de tintas importadas, numa altura em que a crise aumentou a opção dos clientes pela produção nacional.
“O país atravessou uma fase meio complicada, mas as crises são também para serem aproveitadas por outro lado. A empresa ressente também os efeitos da crise que abalou o mercado nos últimos anos, facto que afectou o crescimento da empresa”, referiu, afirmando, “ainda assim a empresa está bem e estável e consegue fazer face a concorrência de produtos importados”.
“Claro que todas as empresas ressentiram. Mas o volume de vendas actuais ainda assegura um fôlego financeiro para fazer face às estruturas de custo e cumprir com as obrigações com terceiros. A nossa supremacia sobre a concorrência é marcada pelo diferencial da qualidade”, referiu.
Disse que a direcção da empresa de tintas CIN responde ao apelo do Executivo para reduzir o volume de produtos importados, por isso aposta cada vez mais na produção de material de qualidade para decoração, pavimentos, revestimentos e ornamentação.
A empresa levou à Expo-Huíla como novidade, a massa de revestimento de terraços, faixadas com característica impermeável denominada R700, feita à base de resina, cuja composição com cimento oferece consistência e impermeabilidade contra a água.
A Tinta CIN, que assume uma política de controlo de stock sem ruptura, para abastecer o mercado, conta com 13 lojas a nível nacional, que empregam 130 funcionários. DM