ISAQUE LOURENÇO

Estudos recentes sobre o mercado publicitário angolano, efectuados pela empresa de pesquisa “Marktest Angola”, indicam que o país movimenta anualmente cerca de USD 70 milhões em publicidade.

De acordo com o director geral da TVC e presidente da Associação Angolana de Publicidade e Marketing (AAPM), José Guerreiro, estes números tendem a evoluir se considerarmos o crescimento acelerado do país, assim como o desenvolvimento da sua economia. José Guerreiro precisa que todos esses números traduzem apenas a facturação pela veiculação ou emissão das publicidades pelos medias (ver mais na entrevista da página 7).

Indicadores do negócio

Dados disponíveis no sítio da Marktest indicam a liderança dos sectores da banca e das telecomunicações, num negócio em que as marcas de bebidas continuam a apostar na sua inserção através da publicidade, sobretudo em Outdoors. No mesmo, sem se avançarem números, refere-se que durante o primeiro semestre deste ano, o banco Millennium Angola foi a instituição que mais investimento em publicidade efectuou, seguido da operadora de telefonia Unitel.

No que diz respeito à veiculação da publicidade por sectores, a TPA 1 lidera a emissão por canais, concentrando cerca de 54% do total do investimento, números que se aproximam aos 68% conseguidos durante o ano de 2008. A rádio, a imprensa, os outdoors e outros canais televisivos repartem entre si as outras quotas do mercado.

Disputas pela liderança

Segundo os dados disponibilizados pela Marktest, assiste-se a uma cada vez mais acentuada disputa pela liderança entre os diferentes sectores. Para a fonte, na banca, após ter perdido a liderança nos investimento durante o primeiro semestre de 2009 para o Millennium, o BFA recuperou a posição de líder que também já registou em 2008, sendo até Agosto a instituição financeira que mais investimentos em publicidade despendeu.

Já nas telecomunicações, a disputa pelo domínio entre a operadora Unitel, que lidera, e a Movicel, que liderou o investimento na imprensa em 2008, continua bastante acentuada, o que se traduz nas alternadas lideranças entre ambas, embora, e de acordo com os estudos, prevaleça uma tendência favorável à primeira.

A Crise e a publicidade

Como todo e qualquer outro sector da economia real, a crise económica e financeira internacional também afectou o desempenho da indústria publicitária no país. Conforme disse ao JE José Guerreiro, as empresas receberam muitos pedidos de cortes ou suspensão de algumas campanhas já previstas, além de registarem muitas dificuldades de pagamentos por parte dos clientes. Para ele, outro factor de constrangimento para o sector foi o de ver reduzida a solicitação destes serviços por parte do Estado, um importante cliente do sector.

“O Estado, que, como sabemos, é um importante cliente do mercado publicitário, também fez reduções nas suas campanhas, o que afectou as nossas agências e produtoras”, disse.

Ainda assim e de acordo com José Guerreiro, uma das soluções internas encontradas para o contínuo crescimento do sector será o de se incrementarem políticas internas de protecção à indústria nacional de publicidade, à medida também que se verifiquem maiores investimentos na economia nacional.

Na sua opinião, esta medida, além de permitir vislumbrar um melhor futuro, vai também ajudar na definição de novas estratégias, visando a sua valorização e crescimento. Não menos importante, conforme defende, para o sector será a implementação dos programas de diversificação económica, conforme a estratégia do governo angolano, pois permitirá alavancar outros sectores como os da agricultura, pescas, indústria transformadora, etc., e estes, por sua vez, alargarão as opções de prestação da actividade publicitária.

Quadro 1

Liderança por sectores:

Televisão………………Telecomunicações (Unitel e Movicel)

Imprensa………………Banca (BFA e Millennium)

Outdoors………………Bebidas e mobiliários (Blue e Copacabana)

Quadro 2

Investimentos em publicidade na imprensa (Jornais e revistas), até Agosto 2009:

Ranking sectorial – A Banca foi o sector que mais investiu

Ranking marcas (Top 20) – O BFA foi a marca que maior investimento publicitário realizou

• Sector das telecomunicações: Unitel

• Sector das Bebidas: A marca que se destacou foi a RedCola

• Sector imobiliário: Copacabana