O projecto de requalificação e reordenamento urbano da zona da Marginal fica concluído no prazo de dois anos. O anúncio foi feito no sábado, em Luanda, pelo membro da comissão executiva do projecto Baía, José Pedro Soeiro, durante a cerimónia de assinatura da consignação da empreitada terrestre que vai ser executada pelo consórcio Mota-Engil/Soares da Costa.

Ao descrever a nova etapa da obra, José Pedro Soeiro disse que a empreitada começa dentro de 15 dias e tem como objectivo renovar a área mais emblemática da cidade de Luanda.

A componente marítima das obras do “Projecto Baía de Luanda” está na última fase de execução e contempla a despoluição e retirada de areias contaminadas numa área de 180.000 m2.

“A parte terrestre agora consignada, está orçada a 127 milhões de dólares, valor totalmente assegurado por fundos privados da empresa Baía de Luanda SA”, disse José Pedro Soeiro.

Visivelmente satisfeita com o passo dado, a ministra governadora provincial de Luanda, Francisca do Espírito do Santo, referiu que o projecto “vai dignificar ainda mais a nossa cidade”.

A ministra governadora esclareceu que a Baixa de Luanda que agora é uma zona protegida, pode também articular as várias intervenções com a requalificação da Marginal para oferecer melhor qualidade de vida aos seus habitantes, aos visitantes e aos que gostam da cidade.

“Em nome do Governo Provincial manifesto a nossa total disponibilidade em trabalhar com as empreiteiras, facilitando a sua actividade e espero que trabalhar em construção civil numa cidade com a dinâmica de Luanda possa efectivamente ter o mínimo de constrangimentos”, disse.

Ponte de ligação à Ilha do Cabo

A construção da obra terrestre do “Projecto Baía” que já mereceu a aprovação e licenciamento dos Ministérios das Obras Públicas e Urbanismo e Ambiente tem como dados relevantes a construção de uma ponte de ligação à Ilha do Cabo, com 475 metros, sendo 136 metros em viaduto.

Entre os vários benefícios consta o alargamento da Avenida Marginal, que passa a ter seis faixas de rodagem, com separador central equipado com um moderno sistema de semáforos. Vão ser construídos mais de 161.000 m2 de pavimento, 26.000 metros de lancis e 106.000 m2 de áreas pedonais.

O projecto prevê também a criação de 1.600 lugares de estacionamento, distribuídos em 12 parques.

O sistema de drenagem de águas é totalmente reabilitado e ampliado, duplicando a sua actual capacidade. A nova Marginal conta também com 127.000 m2 de zonas verdes, arborizadas com 2.100 palmeiras, 750 acácias e 430 árvores de sombra, apoiadas por um sistema de rega com 23.500 metros de tubagem e 1.225 aspersores alimentados por um sistema autónomo.