A operadora de conteúdos televisivos, MultiChoice Angola revela que os últimos anos de investimento no país foram muito difíceis, com a desvalorização do kwanza desde 2015.
De acordo com o CEO do grupo, Hennie Visser, a empresa teve também alguns problemas de liquidez e afectou de forma negativa a facturação este ano.
“Mas sentimos que haverá uma ligeira recuperação nos próximos anos o que mantém a nossa confiança no mercado angolano”, acrescentou.
O responsável falava em Luanda, à margem da cerimónia de celebração dos 20 anos da MultiChoice em Angola.
Questionado sobre a oferta de serviços de internet, Hennie Visser garantiu que têm alguns serviços baseados no on-line, como o pacote “Dstv Now”, uma plataforma que permite aceder os contéudos via net.
“Não estamos a investir mais na distribuição de internet porque pensamos que as empresas existentes já o fazem e com qualidade”, assegurou.

Impostos
Já o director-geral da Dstv Angola, Eduardo Continentino, revelou que a empresa contribuiu de impostos em 2017 com mais de três mil milhões de kwanzas aos cofres do Estado.
Emprega 357 trabalhadores directos e 600 indirectos, através da sua rede nacional de distribuição com parceiros locais. A empresa vai continuar a dar o seu contributo para o futuro, investindo na produção de conteúdos locais.