Um imponente fórum económico Angola – Itália realiza-se em Abril nas cidades de Roma e Turin, com participação de vários ministros do Governo angolano e cerca de 200 empresários nacionais, sendo que da parte italiana estarão, igualmente, vários titulares de pastas ministeriais e centenas de empresários.

Segundo uma nota da Embaixada italiana em Angola,  o evento tem por objectivo principal incrementar as trocas comerciais e parcerias de negócio entre os dois países, assim como atrair investimento angolano na Itália e vice-versa.

A experiência quotidiana na relação com empresários italianos que se deslocam a Angola para exploração de negócio, assim como empresários angolanos que trabalham em parceria com empresas italianas, mostra que os principais constrangimentos refere-se a dificuldades na concessão de vistos, atrasos no desalfandegamento de mercadorias, dificuldades na participação em concursos públicos, elevado custo nos hotéis, alimentação, aluguer de carros e a exigência de um valor mínimo de um milhão de dólares norte-
-americanos para investimento em Angola, previsto na lei do investimento privado.

De um modo geral, nota-se alguma retracção do investimento directo italiano em Angola, após a entrada em vigor da nova lei de investimento privado, enquanto as relações comerciais fluem com regularidade onde tradicionalmente o saldo comercial é favorável
à Angola.

Porta-aviões
De 15 a 18 de Fevereiro, o porta- -aviões italiano, Cavour estará no Porto de Luanda, numa completa exposição sobre às potencialidades deste país, que vão desde a indústria, cooperação tecnológica, indústria e cooperação humanitária.
A bordo do navio estarão presentes dezenas de marcas italianas. Porém, a grande surpresa vai para o pavilhão utilizado por Angola na Bienal de artes de Veneza, em Setembro de 2013. Uma grande oportunidade para que as autoridades e a classe empresarial angolana possa manter o contacto directo com o espaço.

É pretensão da comunidade empresária italiana, presente a bordo do navio, aproveitar o momento para trocas comerciais, estabelecimento de parcerias com empresários angolanos e junto do Executivo, apresentação das propostas de cooperação.

A Itália detém relações diplomáticas e comercias com Angola, desde 1605 com acreditação na Santa Sé, à época do Papa Paulo V. Primeiro país europeu a reconhecer Angola, como Estado independente, em Fevereiro de 1976 foi aberta a sua missão diplomática em Luanda.

Em Abril de 2013, o Vice-Presidente de Angola visitou a cidade de Turin, que tem catalizado bastante cooperação nos domínios económico, incremento da divulgação da cultura angolana, com destaque para o prémio “Leão de Ouro” ganho por Angola.
Este mesmo stand estará exposto no porta-aviões e os convidados poderão apreciar as potencialidades de Angola e as reais razões para que o pavilhão de Angola fosse então o escolhido.

Um dos momentos relevantes, entre Angola e a Itália foi em 1980 quando a companhia petrolífera italiana, deu início a sua contribuição para exploração de petróleo em Angola e 2011 que assinala o maior volume comercial de Angola para Itália avaliado em mais de dois biliões de dólares norte-americanos, com destaque para exportação de petróleo