O grupo Sun Ocean, consórcio internacional que operam nas áreas de investimentos de capital privado e gestão de investimentos, prevê uma meta de produção em Angola de mais de 80 milhões de litros/ano de bebibas e empregará mais de 400 trabalhadores quando começar a operar no mercado nacional.
Uma fonte do grupo disse ao JE que o projecto para a instalação de uma fábrica foi aprovado em Agosto último pela Utip e prevê a montagem de uma linha com a capacidade de produzir, embalar, distribuir sumo, água e vinho com o objectivo de contribuir para os impactos económicos e sociais em Angola.
Apesar de não ter adiantado o volume do investimento e a etapa para o arranque do empreendimento, o certo é que será instalado em Luanda numa primeira fase.
“Angola ainda é um dos mercados de mais rápido crescimento no espaço de bens de rápido consumo no continente africano, tem um rendimento crescente, população jovem tendo a economia sido afectada pela queda dos preços do petróleo. Por isso, é dada agora atenção à diversificação da economia para criar novos motores de crescimento”, sustentou a fonte.
Para ilustrar, a fonte assegura que, Angola tem a segunda maior taxa crescente de consumo de vinho em África, atrás da África do Sul. As importações de bebidas vinícolas e aromatizadas da Europa permaneceram robustas ao longo da crise económica, apoiando o caso de negócios para a produção local.
“O consumidor angolano é ambicioso e interessado em produtos de qualidade. É também o trampolim ideal para o resto da África Ocidental e Central”, disse.
O grupo argumenta que o sector de bebidas em Angola deverá chegar a 2.700 milhões de litros. O sector informal do país também desempenha um papel instrumental e observamos uma tendência do sector formal a aproximar-se lentamente da quota do mercado informal.
Com uma população de 28 milhões de cidadãos a crescer três por cento ao ano, cerca de 48 abaixo dos 14 anos, e mais 50 abaixo dos 65 anos, os dados demográficos são favoráveis a um investimento de longo prazo neste sector. Novos retalhistas, como o Candando, entraram no mercado e o Kero e o Shoprite continuam em expansão dentro e fora de Luanda, sustenta o grupo.

Concorrência
Interrogado sobre a concorrência no mercado, o grupo assegura que Angola tem um grande número de fabricantes em vários sectores e o país está bem servido por uma grande variedade de fornecedores nacionais e regionais. O sector de bebidas, em particular, é um dos mais dinâmicos e em crescimento. Atrás do petróleo e do gás natural, o sector de bebidas pode ser identificado como o segundo sector económico de mais rápido crescimento, depois da pesca continental.
“Só para ter uma ideia, durante a última década, o consumo de bebidas alcoólicas e não alcoólicas aumentou substancialmente devido ao rápido crescimento económico e ao aumento do PIB per capita. A maior parte do consumo nacional é atendido através de importações, devido à falta de capacidade industrial local. Portanto, o Group Sun Ocean está bem posicionado para beneficiar do rápido crescimento do mercado de consumidores angolano.
Quanto à competição interna, o grupo assegura que, o crescimento dos sectores não petrolíferos parece muito promissor para os investidores devido à crescente classe média e ao aumento do consumo de produtos para consumidores internos, como alimentos e bebidas. Muitos intervenientes estão actualmente a aproveitar as oportunidades oferecidas. Nos próximos anos, será esperado mais investimento em bebidas e outras infra-estruturas relacinadas para atender a crescente demanda.
Juntamente com os nossos parceiros no Grupo Sun Ocean e a visão de longo prazo, aliada ao crescimento do consumidor e da população, ainda há espaço para um interveniente com ambições nacionais. Prevemos que a consolidação possa ocorrer na indústria devido à falta de moeda estrangeira e questões ligadas ao fornecimento que aumentem a atractividade para entrar no mercado.
Este projecto servirá inicialmente o mercado de Luanda. Em termos de tecnologia, o grupo pensa utilizar a tecnologia europeia que os parceiros técnicos têm experiência na Europa e em África.