Os 164 municípios estão convidados a participarem na 3ª edição da Feira dos Municípios e Cidades de Angola (FMCA), que acontece entre os dias 21 e 24 de Novembro, no Estádio Nacional de Ombaka, na cidade de Benguela, cujo objectivo é a excelência na governação e a criação de melhores soluções para cidades sustentáveis.
A feira que foi apresentada na quarta-feira, 5, ao público, em Benguela, poderá albergar num espaço de 3.500 metros quadrados, cerca de 250 expositores de instituições públicas, privadas, empresas nacionais e estrangeiras, numa altura em que o recinto tem condições para 700.
O evento que decorre sob o lema “A vida faz-se nos municípios” será realizado em simultâneo, nos dias 22 e 23 de Novembro, com a 6ª edição do fórum dos municípios e cidades de Angola, numa co-organizado pelo Ministério da Administração do Território e Reforma do Estado e a empresa Spica Angola.

Valor a cobrar por stand
Durante a apresentação, o representante da empresa Spica Angola, Bruno Albernaz, disse que a participação empresarial terá como valor mais alto (espaço de stand) 540 mil kwanzas para um espaço de nove metros quadrados, ao passo que o preço mais baixo é de 315 mil.
As instituições públicas, nomeadamente administrações locais, departamentos ministeriais, entre outros, vão arcar com um custo de 200 mil kwanzas.
Em 2015, ano da última edição da FMCA (a 2ª edição), foram registados 177 expositores, entre os quais quatro ministérios.
O processo de inscrições tiveram início a 10 de Agosto, com o lançamento oficial deste projecto, em Luanda, e deverá decorrer até 21 de Outubro, podendo o sector privado fazê-lo nas respectivas administrações municipais.

Promover o intercâmbio
O secretário de Estado do Território e Reforma do Estado, Márcio de Jesus Daniel, disse ser pretensão do sector que o evento crie um espaço para apresentação e exposição do trabalho desenvolvido pelos órgãos da Administração Local.
Na sua alocução, o responsável disse que a feira é uma manifestação das múltiplas potencialidades existentes nos municípios, devendo nesta edição prestar atenção ao reforço da desconcentração administrativa em curso no país, além de ser também uma oportunidade do empresariado pensar cada vez mais nas soluções que se impõem.
Referiu que o Fórum dos Municípios e Cidades de Angola, de iniciativa presidencial, vai ser um espaço de “consulta e concertação” do titular do poder Executivo.
Segundo Márcio Daniel, o Chefe do Executivo conta com dois espaços de auscultação, nomeadamente o “Conselho de Governação Local” e o “Fórum dos Municípios e Cidades de Angola”, com os quais interage visando colher ideias e contribuições que levam a adopção de políticas que tendem a solução das dificuldades identificadas.
Para este ano, sublinhou, além de ser a primeira vez que estes dois certames (Fórum e FMCA) se realizam fora de Luanda, o fórum deverá dedicar um certo enfoque ao assunto mais sonante da actualidade no país, as eleições autárquicas.

Hotéis e resortes prontos para acomodarem visitantes

A província de Benguela tem seis mil camas distribuídas pelas diversas unidades hoteleiras e similares, o que confere algum conforto para acolher a Feira de Municípios e Cidades de Angola (FMCA).
A informação foi avançada à Angop, pelo presidente da Associação de Hoteleiros e Resortes de Angola (AHRA) de Benuela, Jorge Gabriel, prometendo preços acessíveis para recepção dos participantes ao evento que terá lugar no Estádio Nacional de Ombaka.
Informou que o órgão que dirige vai reunir com os associados de modo a negociar um “valor módico” para diária e alimentação das delegações participantes.
Disse esperar por boa representatividade nesta terceira edição da feira, considerando ser o interior do país boa região para a realização da mesma, comparativamente a capital, Luanda, pois o acesso à Benguela facilita os custos com a deslocação.
A FMCA, que se realiza pela primeira vez fora de Luanda, sob o lema “A vida faz-se nos municípios”, visa reforçar o seu carácter nacional, o diálogo e a interacção entre os 164 municípios do país, além de promover o conhecimento das potencialidades nacionais.