A comercialização de um quilograma da melhor qualidade de camarão subiu, nos últimos dias, no mercado europeu de 18 dólares norte americanos para USD 28, anunciou hoje (terça-feira), em Luanda, o ministro angolano das Pescas, Salomão Xirimbimbi.

"O quilograma de camarão, antes comercializado a 40 dólares norte-americano, no início da crise económica e financeira, regista uma subida paulatinamente no mercado", referiu o governante à imprensa, após uma conferência relacionada com os interesses dos Estados e os efeitos da crise, proferida pelo antigo presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso.

Neste momento, acrescentou o ministro, já se sente melhoria nos preços dos pescados de exportação.

Questionado sobre os efeitos da crise no sector das pescas, Salomão Xirimbimbi disse que o fenómeno causou uma contracção no consumo e uma redução dos preços na ordem dos 30 porcentos.

Em função disso, esclareceu, o Governo adoptou certas medidas como a busca de mercados alternativos para os produtos angolanos, incluindo a sua colocação no mercado interno, onde a procura ainda é muito maior.

Adiantou que o executivo adoptou também medidas de natureza de gestão, baseada no prolongamento dos períodos de veta, a fim de permitir que haja escassez de produtos no mercado, com o objectivo de aumentar o preço.

Sobre as experiências obtidas na conferência com o ex-presidente brasileiro, o responsável considerou que Angola tem a sua realidade, pelo que os conhecimentos transmitidos por Fernando Henrique Cardoso serão analisados e avaliada a sua aplicabilidade no país.

Durante a sua dissertação, Fernando Henrique Cardoso, sociólogo e professor universitário, recordou as grandes transformações registadas na década de 70 como a revolução industrial, a evolução e expansão das tecnologias de informação e comunicação.

Segundo o conferencista, a evolução do sistema produtivo foi impulsionado primeiro pelos holandeses e, posteriormente, pelos ingleses com a introdução da máquina a vapor, catapultando a revolução industrial.

O docente realçou que depois das duas guerras mundiais, o Estados Unidos da América tornou-se na nação mais forte no processo produtivo e no centro do poder no mundo, adiantando que fruto da sua enorme capacidade financeira os bancos americanos foram concedendo crédito ao sector imobiliário acima do limite, despoletando a crise por incapacidade de reembolso dos devedores.

Desde segunda-feira em Luanda, Fernando Henrique Cardoso foi o trigésimo quarto presidente da República Federativa do Brasil, cargo que exerceu por dois mandatos consecutivos, de 1 de Janeiro de 1995 a 1 de Janeiro de 2003.

Co-fundador do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) e presidente de honra desta formação política, desde 2001, Fernando Henriques Cardoso encontra-se desde Segunda-feira, em Luanda, à frente de delegação de cinco elementos, e de acordo com o programa vai visitar a Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto (UAN) e as instalações da Universidade Católica de Angola (UCAN).