A procura de petróleo mundial em média vai ultrapassar 100 milhões de barris por dia em 2019, estimou ontem a OPEP, que simultaneamente assegurou que os 15 países membros poderão garantir “o fornecimento suficiente para apoiar a estabilidade do mercado”.
Na primeira estimativa para 2019, publicada no relatório mensal de Julho, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) calcula que a procura de petróleo mundial em 2019 atinja 100,3 milhões de barris por dia, mais 1,47% do que a média prevista para este ano (98,85 milhões de barris por dia).
O grupo petrolífero, que aumentou a produção em 173.400 barris por dia (para um total de 32,32 milhões de barris por dia) entre Maio e Junho, advertiu que vários factores de incerteza podem modificar o panorama, como as mais recentes tensões devido à imposição de taxas alfandegárias, segundo a Lusa.
Por outro lado, esta semana, na Filda, o Pca da Sonangol, Carlos Saturnino, não confirmou a hipotética subida do preço dos combustíveis, embora tenha admitido negociações entre a petrolífera e o Ministério das Finanças, no quadro das recomendações feitas pelo FMI.
Já sobre uma eventual falta de combustíveis, o gestor da Sonangol assegurou, em Luanda, não haver problemas com o
abastecimento em todo o país.
“A situação de combustível é normal não temos nenhuma situação de realce a respeito”, disse.
Sobre a escassez em Cabinda, a direcção regional da Sonangol Distribuidora negou falar sobre o assunto, sem orientação do conselho de administração da empresa, de acordo com a Angop.
O barril de petróleo Brent para entrega em Setembro abriu nesta quarta-feira em baixa no mercado de futuros de Londres, cotado a USD 78,32, variação de 0,65% em relação
ao fecho da sessão anterior.