Até 2022 a produção de diamantes no país estará avaliada em 13,8 milhões de quilates ao ano em comparação com os actuais nove milhões, segundo as estimativas do Governo plasmadas na estratégia do Executivo no programa de diversificação da produção mineira.
Segundo o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, que falava recentemente no fórum de auscultação sobre “a revitalização da política de comercialização de diamantes brutos”, realizado em Luanda, é pretensão que o sector diamantífero venha a dinamizar e maximizar oslucros nos próximos tempos.
Para o efeito, o responsável, disse que o ministério pretende ainda acautelar os interesses dos investidores do sector diamantífero, tendo em conta o contexto económicoe financeiro que o país vive.
“Há a necessidade de se propor novos paradigmas e soluções que concorram para a melhoria do sector mineiro, de modo a impulsionar lucros e consequentemente dar uma nova dinâmica para desenvolver a economia nacional em todos os níveis”,disse.
Depois do petróleo, cujas receitas caíram para menos de metade em 2015, devido à crise do preço do barril de crude, os diamantes são o segundo produto de exportação do país, salientou o governante.
Segundo disse, em 2017 o volume de vendas de diamantes teve um aumento de receitas no valor de mil milhões de dólares, um aumento inferior a 0,5 por cento, face às vendas do ano anterior, resultantes da exploração e venda de diamantes brutos.

Preço de venda
De acordo com os dados do Ministério das Finanças, em 2016 cada diamante angolano foi vendido, em média, a 121,1 dólares por quilate, valor que em 2017diminuiu para 117,23 dólares.
Os dados asseguram ainda que, as receitas fiscais geradas com a venda destes diamantes, que são o segundo maior produto de exportação do país, subiram 5 por cento entre os anos de 2016 e 2017, para 14,7 mil milhões de kwanzas (55,6 milhões de euros), entre Imposto Industrial e ‘royalties’ pagos pelas empresas mineiras.
Em Novembro do ano passado, o Executivo angolano, incentivou o novo conselho de administração da Empresa de Comercialização de Diamantes (Sodiam) a trabalhar para reforçar as receitas do Estado oriundas da venda de diamantes. O fórum que contou com a participação de várias empresas ligadas ao sector, teve como objectivo garantir maior transparência no processo de compra e venda de diamantes brutos em Angola.
Segundo dados do mMnisterio das Finanças, em setembro do ano passado as receitas de vendas de diamantes cairam para 729 milhoões, 640 mil e 314 kwanzas comparativamente ao ano de 2016 em que o Estado arrecadou um bilhão 29 milhões , 917 mil e 817 kwanzas..
De acordo com o documento, o período de análise de Setembro de 2016 a Setembro de 2017 o valor pago em média por cada quilate de diamantefoi de 120,55 dólares.
Para o efeito, foi criada uma comissão que visa justificar a necessidade de revitalizar a política de comercialização de diamantes brutos ,o que visa garantir maior transparência no processo de compra e venda do produto no país.Comercialização de jóias Em relação à comercialização de jóias o documento revela existirem algumas empresas francesas a comercializarem jóias angolanas no exterior do país.