Os projectos de internet, desenvolvidos pelo Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação em conjunto com a Angola Telecom, estão a elevar o processo de inclusão digital na província da Huíla.
O director provincial da Angola Telecom na Huíla, Lino Inocêncio, disse, em entrevista ao JE, que os serviços de banda larga estão disponíveis nas administrações municipais de Caconda, Caluquembe, Quilengues, Quipungo e Chibia.
A nível da província, já estão instalados e em fase de testes o sistema de internet de banda larga sem fio da quarta geração (4G), LD.
“Actualmente, já estamos a testar o sistema 4G e teremos uma cobertura da zona urbana da cidade do Lubango, e nas sedes municipais da Humpata e Matala”, disse.
O responsável referiu que, ainda em termos de banda larga, o mesmo sistema existe nas sedes municipais de Caconda, com fio, o serviço através da tecnologia de ADCL está disponível na sede comunal Sandula e Negola (Caluquembe), Cacula, Quilengues, na comuna do Hoque e sede do Lubango, Humpata, Chibia, Quipungo e Matala.
Por isso, salientou que decorre a fase final da instalação do mesmo serviço nas sedes municipais da Jamba e o Cuvango, onde já existe, mas por causa das enxurradas que se registaram a alguns anos, a rede havia sido vandalizada.
“Por causa da vandalização da rede tivemos que fazer outro investimento, que nos obrigou a voltar a ligar o cabo da fibra óptica que liga à sede municipal da Matala, passando pela comuna do Dongo, cobrindo a própria sede municipal da Jamba e Cuvango, incluindo Matala”, referiu.
Explicou que existe na província, o projecto LDE, que a direcção da Angola Telecom vai colocar à disposição do público. Embora sem data para a entrada em funcionamento e os testes decorrem sem sobressaltos.
O responsável referiu que a par disso, a direcção da Angola Telecom tem capacidade para entregar os serviços dedicados de internet, mesmo de dados, para as conexões que permitem as empresas estarem interligadas entre si, na província.
Como acontece com os bancos, que têm agências em diferentes pontos, frisou, através deste serviço, pode-se dar uma ligação em fibra. “É o que temos estado a fazer com algumas instituições públicas ou organismos do Estado na província”, garantiu.
Lino Inocêncio disse que no âmbito do projecto referido, houve uma concertação com a delegação provincial da Justiça e Direitos Humanos, para interligar os tribunais.
Referiu que a delegação da Justiça e dos Direitos Humanos, tem tribunal na Matala e Caconda, para que as instituições sejam interligadas, de modo a que, as actividades e processos sejam mais céleres.
Ao invés de estarem a usar outro tipo de conexões, pode ndo assim facilitadas reduzindo custos.